7 dicas para gestão financeira do advogado autônomo

Por | 2018-06-14T19:06:39+00:00 14 de junho de 2018|

O advogado autônomo, que possui seu próprio escritório, tem necessidade de, além das atividades ligadas à sua profissão, conhecer e aplicar princípios administrativos para manter a gestão financeira em ordem.

Durante sua formação, o advogado se aprofunda nas mais diversas áreas de Direito, sem muita atenção às áreas administrativa e financeira. Em razão disso, apresentamos aqui algumas dicas para que, como profissional de Direito, seja também possível administrar com cuidado suas próprias finanças:

1 – Monte um planejamento financeiro

Estabeleça metas para curto, médio e longo prazo. A elaboração de um planejamento financeiro envolve os cuidados com o fluxo de caixa e com o acompanhamento diário de toda a movimentação financeira do escritório, dando maior segurança ao advogado.

2 – Separe as despesas pessoais das profissionais

Esse é um dos maiores erros de advogados autônomos e impede que a gestão financeira do escritório seja conduzida com critério. A regra, portanto, é bastante simples: o que for despesa pessoal deve ser pago com um pró-labore estabelecido previamente, enquanto que as despesas do escritório devem ser pagas com a receita obtida.

3 – Utilize a receita com responsabilidade

Com essas duas regras básicas, o advogado autônomo irá se manter mais atento aos seus custos, evitando custos desnecessários. Quando se trabalha por sua própria conta, o advogado deve encontrar o equilíbrio financeiro em suas contas, inclusive nas despeas pessoais, evitando dificuldades na gestão financeira.

4 – Contrate um serviço de contabilidade eficiente

No caso de o advogado sentir dificuldades para gerenciar financeiramente o escritório, é interessante contratar os serviços de contabilidade – seja por escritórios, tecnologias ou um contador – para analisar o seu fluxo de caixa e para organizar melhor suas finanças, evitando, inclusive, o recolhimento excessivo de impostos e contribuições.

5 – Mantenha uma reserva financeira

Essa é uma das necessidades fundamentais para o advogado autônomo. Só a partir dessa atitude é que poderá garantir o cumprimento de seus compromissos, mesmo quando houver menor demanda por parte de seus clientes ou em uma eventualidade que traga uma qualquer despesa inesperada.

6 – Faça marketing jurídico

O advogado pode e deve fazer marketing jurídico, respeitando o Código de Ética da OAB. Há ferramentas e estratégias de publicidade que o advogado pode utilizar para tornar seu escritório mais conhecido. A internet oferece uma série de oportunidades para tornar o escritório mais visível para os potenciais cliente.

7 – Utilize os serviços de advogados correspondentes

O advogado autônomo, como qualquer outro profissional de Direito, poderá ter, entre seus processos, diligências em outras localidades. Nestes casos, a contratação de advogados correspondentes, é fundamental, no só pela agilidade, como pela redução de custos de transporte, alimentação e hospedagem.

Com a implantação dessas pequenas regras, o advogado autônomo terá maior disponibilidade para cuidar de seus processos, ao mesmo tempo em que poderá gerenciar as finanças de seu escritório, evitando uma série de problemas e garantindo que tenha condições financeiras mais favoráveis para direcionar sua carreira.