A importância da Correspondência Jurídica

Tempo de leitura: 3 minutos

Prezados leitores do Blog Jurídico Correspondentes! Vamos iniciar a semana e o mês de Fevereiro descrevendo a importância da Correspondência Jurídica.

É realmente incrível como a prestação de serviços jurídicos através da correspondência traz incríveis vantagens para ambos os lados (parte contratante e contratada) e para todo o sistema jurídico.

Em relação ao retorno financeiro para o prestador de serviços é interessante mencionar que o valor auferido é muito gratificante. Principalmente para advogados iniciantes que não tem um nome formado no mercado e encontram dificuldades em aumentar sua carteira de clientes. Dessa forma, necessitam de uma renda extra para manter seu escritório nos árduos primeiros anos de advocacia, além de ganhar reconhecimento através da prestação de seus serviços. A correspondência jurídica proporciona isso e possibilita uma grande experiência obtida através da constante prática da atividade profissional.

A parte contratante também terá uma grande vantagem financeira, frente à economia que a terceirização de serviços permite, bem como uma prestação de serviço de extrema qualidade, fator importantíssimo e determinante.

Em virtude da distância entre o escritório contratante e a comarca de atuação é importante mencionar que a correspondência facilita o atendimento das diligências e até mesmo de clientes com muita eficiência.

Isso porque manter um advogado, por exemplo, nessa comarca seria muito custoso para o escritório contratante. Mesmo não mantendo um advogado ou escritório na comarca distante, é muito custoso também direcionar advogado/funcionário do seu escritório para a prestação dos serviços na comarca longínqua, haja vista os gastos com alimentação, viagens, diárias em hotéis, entre outros..

Contratando um advogado correspondente, a economia financeira é gritante para o escritório e mesmo assim será um ótimo pagamento para o contratado. Ambas as partes ficam satisfeitas financeiramente.

Devemos atentar ao fato que a correspondência evita a sobrecarga de serviços aos advogados internos dos escritórios que diligenciam a tarefa. Podendo estes dedicar-se ainda mais aos casos em que trabalham. Ou seja, novamente mais uma economia para quem contrata: o tempo. Rapidez na diligência e o aproveitamento desse mesmo tempo para os escritórios dedicarem com ainda mais afinco a inúmeras outras atividades/ações/atendimento a outros clientes.

A terceirização de serviços jurídicos é muito interessante principalmente em função do grande número de demandas ajuizadas e das inúmeras comarcas de atuação de muitos escritórios.

Por meio de uma prestação de serviço rápida, qualificada e eficaz, não apenas as partes contratantes e contratadas ganham, como também todo o Poder Judiciário, com maior celeridade processual, uma vez que a correspondência tem por característica o “pronto atendimento” da solicitação e a qualidade do serviço.

Na medida em que a prestação do serviço é exercida com excelência, a busca pelos seus serviços cresce na mesma proporção. Com um maior número de diligência, consegue manter-se financeiramente estável, cresce profissional, qualifica-se pela experiência e pode até mesmo ser contratado ou manter uma parceria com grandes escritórios, os quais diligenciaram para você e perceberam a sua qualidade profissional.

Portanto, a correspondência jurídica é uma atividade que abre muitas oportunidades profissionais e contribui para uma melhor prestação jurisdicional.

Por fim, mencionamos que a correspondência jurídica é essencial para a advocacia e para o sistema processual.

Até o próximo artigo.

2 Comentários


  1. Concordo que a figura do correspondente veio amenizar os gastos dos escritórios de comarcas distantes ons tramitam os processos por eles assistidos. Mas uma constatação triste que vemos é dos honorários por valores ínfimos oferecidos aos correspondentes. Os grandes escritórios aproveitam dos advogados iniciantes e que necessitam trabalhar, para oferecer valores até vergonhosos para um profissional e infelizmente esses colegas iniciantes aceitam, “porque pelo menos é alguma coisa porque não estou recebendo nada” como me disse uma colega quando questionei por ela fazer uma diligência pela irrisória quantia de R$20,00. Acho que os colegas deveriam colocar a mão na consciência e serem mais solidários com os outros porque também passaram por esse início dificultoso.

    Responder

  2. Realmente, ótimo texto. Trabalho em um escritório onde não havia o setor de correspondente jurídico. Começamos com os pés no chão e atendemos de inicio pouco mais que 10 comarcas (Fóruns Regionais). Hoje, oito meses depois, atendemos a mais de 50 comarcas, inclusive fora do Estado de São Paulo, onde também contamos com a ajuda de outros correspondentes. É um mercado que esta em crescimento e que com toda certeza é uma ótima opção de renda extra.

    Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *