Casais homoafetivos e a adoção

Tempo de leitura: 2 minutos

Nessa última semana um assunto ganhou grande repercussão, principalmente nas redes sociais: legalização do casamento gay nos Estados Unidos da América.

Embalado por mais uma conquista envolvendo casais homoafetivos, o presente artigo aborda outra questão importante: A adoção envolvendo casais homossexuais.

Você é contra ou a favor da adoção por casais homoafetivos?

Sempre fruto de grande polêmica esse tipo de adoção provoca muitas discussões. Há quem diga que a adoção por homossexuais pode influenciar na opção sexual do adotado e permitir que a criança sofra discriminações pela sociedade com base no estilo de vida dos pais adotantes.

De outra banda, há quem defenda o contrário, embasado no respeito aos direitos dos homossexuais, ou seja, levando em consideração princípios fundamentais como o da igualdade, dignidade da pessoa humana e do vínculo familiar.

A verdade é que assuntos envolvendo o homossexualismo gera muito debate/discussão, em razão de uma parte da sociedade ser preconceituosa e negar-se a respeitar a opção sexual de pessoas que não são heterossexuais.

Afirmar que a adoção entre casais homoafetivos não pode ser realizada porque a criança vai sofrer preconceitos e acabará sendo influenciada é um grande erro. Quem está errada nessa história é a pessoa que não permite a felicidade alheia por causa de um preconceito que não é crível de admissibilidade.

Será mesmo que quem prefere pessoas do mesmo sexo não conseguirá criar uma criança da maneira correta? Quem pode afirmar isso?

Para as pessoas preconceituosas, ao que tudo indica, a criança não tem o direito a ter uma família e uma vida digna, bem como o casal não pode realizar o sonho de ter uma família completa e poder dar amor e carinho a quem merece.

O importante é que as recentes decisões foram favoráveis a adoção entre casais homoafetivos! Veja-se um trecho do reconhecimento pelo STF quanto à adoção entre casais homoafetivos, Recurso Extraordinário 846.102 (722), Relatora Ministra Carmen Lúcia:

“Assim interpretando por forma não-reducionista o conceito de família, penso que este STF fará o que lhe compete: manter a Constituição na posse do seu fundamental atributo da coerência, pois o conceito contrário implicaria forçar o nosso Magno Texto a incorrer, ele mesmo, em discurso indisfarçavelmente preconceituoso ou homofóbico. Quando o certo – data vênia de opinião divergente – é extrair do sistema de comandos da Constituição os encadeados juízos que precedentemente verbalizamos, agora arrematados com a proposição de que a isonomia entre casais heteroafetivos e pares homoafetivos somente ganha plenitude de sentido se desembocar no igual direito subjetivo à formação de uma autonomizada família. Entendida esta, no âmbito das duas tipologias de sujeitos jurídicos, como um núcleo doméstico independente de qualquer outro e constituído, em regra, com as mesmas notas factuais da visibilidade, continuidade e durabilidade.”

QUAL É A SUA OPINIÃO SOBRE O TEMA?

VOCÊ É A FAVOR OU CONTRA A ADOÇÃO ENVOLVENDO CASAIS HOMOAFETIVOS?

40 Comentários


  1. A boa educação, conhecimento, ética, justiça, etc. independe se homem ou mulher, e sim em um todo – SOCIEDADE SEXUALMENTE RESOLVIDA e com amor no coração.

    Responder

  2. Cada um vive como quiser desde que assuma as consequencias, mas expor inocentes a comportamentos desajustados jamais serei a favor, se quer ter filhos que se casem conforme o tradicional.

    Responder

    1. Zelia, desculpe-me, mas você está redondamente equivocada. A criança necessita, na realidade, é de amor, carinho, educação, segurança, etc…, e isso tudo independe de gênero sexual.

      Responder

    2. Interessante a sua escolha de palavras, partindo do ponto em que “as consequencias” seria o preconceito e a criança é inocente, como conclusão o homosexual é culpado pela discriminação que sofre?
      O que você entende por “Tradicional”?
      Tradicional vem de Tradição, que significa ato ou efeito de transmitir ou entregar. Dessa forma podemos concluir que você considera justo influenciar os filhos em suas escolhas?
      E ainda, a palavra “desajustado” significa aquele que está fora da devida medida ou do grau certo de ajustamento.
      Percebe quantas imposições e distorções você fez para defender sua opinião? As palavras tem um poder muito grande, é de suma importância ficar atentos à aquelas que saem de nossos lábios. Deixo um conselho para você e para todos que se identificarem com sua opinião: se para defender sua opinião suas palavras impõem ou distorcem algo sobre o próximo, ou ferem a dignidade de outrem, significa que sua opinião pode estar equivocada!

      Responder

    1. Pelas razões que vc apoia, no passado, o anjo do Senhor determinou a destruição de Sodoma e Gomorra. Assim, o que vemos agora é o princípio da destruição de nossa humanidade.

      Responder

  3. Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça.
    Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou.
    Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;
    Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.
    Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.
    E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.
    Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;
    Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.
    Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.
    E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.
    E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;
    Estando cheios de toda a iniqüidade, fornicação, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;
    Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães;
    Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;
    Os quais, conhecendo o juízo de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.
    Romanos 1:18-32

    Art. 5º, Inciso VIII, CRFB – “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”.

    Portanto, sou contra.

    “Porque todos buscam o que é seu, e não o que é de Cristo Jesus.” Filipenses 2:21

    Responder

    1. Como vc, também sou absolutamente contra, com base ao que já acontecera no passado.

      Responder

  4. Esse assunto é muito complexo. Na teoria é tudo simples e fácil. Na prática há problemas. Há pouco mais de um mês ví, estarrecida, a notícia num telejornal de que um adolescente foi barbaramente assinado. Seu crime: ser filho adotivo de homossexuais. Também uma diretora de escola comentou sobre o caso de uma criança adotada por homossexuais masculinos que quer porque quer ter uma mãe, sente falta da figura feminina. É muito bem tratada pelos pais mas fica perguntando às professoras se não querem ser mãe dela. A criança diz às pessoas:”fulano diz que é meu pai e que sicrano é minha mãe mas não pode ser minha mãe porque todos dois tem pinto” . Esses casos podem ser exceções a regra mas na prática não é tão fácil! Não costumo ficar em cima do muro, gosto de me posicionar nas questões, mas, nesse caso, confesso estar dividida. Penso que os pares homoafetivos têm o direito de formar suas famílias e há muitas crianças precisando disso. Mas preocupa-me como ficará a cabeça da criança. Quem sabe um bom apoio de terapeutas resolva a questão.

    Responder

    1. Acho que a discussão de tal assunto merece maior profundidade. Primeiro é que, para se discutir este tipo de assunto se faz necessário um grau de conhecimento no mínimo razoável do assunto, tanto no aspecto religioso quanto no aspecto moral. Não acho que a opção sexual nasce de forma espontânea. São vários os fatores que contribuem para que a opção sexual seja desviada. Dentre as principais são os abusos sexuais ocorridos com ambos os sexos, principalmente quando criança e adolescentes. Depois vem a maneira como é criado o ser humano. Você pode por exemplo inibir que uma criança do sexo feminino brinque com caminhãozinho e o menino brinque de boneca. Os menos cultos podem pensar – Mas isso não tem nada há ver ! Em alguns casos sim. Em outros não. Não existe uma regra predominante mas o meio e a maneira como são criadas e educadas as crianças é muito importante para a definição da opção sexual do ser humano. Principalmente se partirmos do princípio de que Deus criou somente 02 (dois) tipos de animais – O macho e a fêmea. O macho com a finalidade de fecundar a fêmea e a fêmea com a finalidade de parir e habitar a terra. “Nos”, (entre aspas), temos regredido numa velocidade impar. As autoridades políticas entender que o casamento de homem com homem e mulher com mulher tem o mesmo conceito de família é extremamente absurda. Não existe perante o criador, casamento de sexos homônimos. Poderiam até criar um nome para a sociedade formada por sexos homônimos, talvez “sócios afetivos”, menos a designação de casamento, intitulado com a concepção de família. Não importa qual seja a religião do homem, mas os conceitos da escrita bíblica não poderão serem rasgados. Contestar a existência do macho e da fêmea é mesma coisa de contestar a própria existência do ser humano. Entendo que, no máximo , quem quisesse mudar a sua opção sexual, que a fizesse de forma discreta e não de forma escancarada como se fosse um modismo. Isso só está ocorrendo porque o governo e a imprensa falada e escrita , vem explorando na mídia a divulgação de que ser veado ou lésbica é normal. Deus existe e as escrituras devem ser respeitadas, o que nos inibe de aceitar as anomalias atuais. Ter a opção sexual pode ser um di
      reito apesar de ser contrário a Bíblia, mas divulgar escancaradamente por meio de propaganda , como vem sendo divulgado ai não . Deus seja louvado.

      Responder

    2. Cara Célia.
      O problema não me parece ser de terapia e sim de convicção religiosa. Ficar em cima do muro, realmente não é conveniente. Por essa razão, sou absolutamente contra, pois como vc mesma relata, já se despontam problemas seríssimos com este tipo de atitude.
      Não tenho nada com os sentimentos de ninguém! Homem que quer se relacionar com homem, é um problema pessoal. Agora! família para mim, só a vejo, constituída de homem, mulher e filhos.

      Responder

    3. Quanta ignorância! O direito deve ser respeitado, não importa com quem ele existe e de onde partiu.
      O RESPEITO NOS FAZ MUITO BEM! A CULTURA TAMBÉM, é claro.

      Responder

  5. O importante é o bem estar da criança. O carinho, a educação que vão porporcionar a esta criança. Não sou contra, e acredito que eles tem condições de criar uma criança.
    Eu admiro e é digno de elogio, e que todos pudessem seguir seus exemplos, não teria crianças nas instuições e futuros delinquentes.

    Responder

    1. Vou responder com uma pergunta, por que um casal que se julga normal e saudável, necessita adotar uma criança. Se este casal fosse um casal normal geraria seus próprios filhos. Sou contra.

      Responder

      1. E os casais “normais” (heterosexuais) que não são férteis? Tais casais optam por adotar, já que não podem gerar seus próprios filhos. Ou então aqueles que podem gerar filhos, ainda assim optam por adotar. Tais casais são anormais?

        Responder

    2. Estou constituindo uma instituição de amparo a criança, com doação de área privilegiada onde pretendo abrigar 60 crianças abandonadas e oferecer-lhes todas as condições de uma vida digna, com educação, formação intelectual, ensino pedagógico, assistência psicológica, humana, social e religiosa sem rótulo. Este trabalho está sendo preparado por mim, minha esposa e minha filha, com a ajuda da espiritualidade. Por esta razão, tenho bastante autoridade para dizer que sou contra, pois somente assim, poderemos contribuir com uma pequena parte em busca de proteger nossas crianças. existem muitas entidades sérias que fazem isto. não somos os primeiros.
      Se quiser conhecer nosso trabalho, acesse: http://www.fundacaodeassistenciaaomenorvovocatarina.site.com.br

      Responder

    3. Para quem tem uma base cristã inpendente de ser católico ou protestante e leva a vida com os princípios que Deus nos deixou, nunca será a favor da adição por casais homossexuais. Eu não apaoio a homofobia pois a opção sexual e individual, mais creio que uma criança deve ser criada por um homem e uma mulher. Cabe aos casais do mesmo sexo também respeitar os princípios da criação.

      Responder

  6. Não é preconceito mas sim preocupação. Nas escolas estão querendo que meninos e meninas usem o mesmo banheiro para que comecem a se acostumar com o sexo oposto desde pequeno. Existe um movimento apoiando isto e houve um grande problema de uma criança urinar nas calças porque não conseguia fazer com a coleguinha olhando. Uma coisa é ser homoafetiva, outra é querer colocar nas cabeças que homens e mulheres são iguais. Nunca foram e por isto se atraem. Tenho vários amigos gays e nem por isto deixo de gostar deles, mas achar que tudo agora é homofobia, está um pouco exagerado demais.

    Responder

    1. Acredito que moramos em países diferentes, pois as escolas que conheço não possuem essa política ridícula do conhecer o sexo oposto. E seu argumento é infundado, se vocês prezam tanto pela heterossexualidade e afirmam que os homossexuais influenciam crianças então deveria achar positivo compartilhas banheiros masculinos e femininos, pois estas crianças ao ver seu sexo oposto vão se sentir atraídas, já em banheiros separados meninos e meninas ocorre o contrário. Não é este seu argumento? Pense bem antes de falar besteira.

      Responder

  7. Acredito que temos que ser proficientes e não misturarmos uma coisa a outra, no meu discernimento casal é a união conforme se pode consultar no dicionário Aurélio, senão vejamos,
    casal
    [Do lat. vulg. casale < lat. casa.]
    Substantivo masculino.
    Par composto de macho e fêmea, ou homem e mulher.
    Urdidor (3).
    Adjetivo de dois gêneros.
    Não podemos agir como os sorrelfas e colocar, uma junção de dois homossexuais, e trata-los por casais.
    Casais são aqueles que procriam para a preservação da espécie e os gays não procriam.
    Acredito até que temos que rever conceitos e regras da língua portuguesa para não depreciarmos ainda mais o conceito da família brasileira e mundial.
    Isso não quer dizer que sou contra as opções sexuais de cada um ser, acredito que cada um e dono do seu nariz e arca com suas consequência e com os seus atos, sou solidário a liberdade de escolhas, experiências e o livre arbítrio. Mas é bom separar as coisas para não cometermos equívocos, afinal já cometemos tantos na vida porque não evitar esse então.
    Também acredito que duas pessoas do mesmo sexo podem sim criar um outro ser humano sem nenhum problema, sem nenhuma consequência desde que seja em um ambiente regrado as boas maneiras, bons costumes, caráter e sensatez.

    Responder

  8. Sou inteiramente a favor. Não vejo qualquer óbice, que legal, quer religioso, para a adoção de crianças e o casamento homoafetivo.

    Responder

  9. Sou completamente a favor. Não vejo qualquer motivo, quer legal ou mesmo religioso, que impeça tanto a adoção quanto o casamento homo afetivo.

    Responder

  10. Sou a favor, quanto a criança ter tendência homo, os que nasceram de hetero viraram ou nasceram homo, então ter uns pais homo não vai mudar o que a criança será futuramente, inclusive convivemos eu e meu parceiro com crianças da família e eles se tornaram uns verdadeiros heteros, mesmo sabendo que eramos casados e homo. E foram 2 crianças hoje adultos e atualmente convivemos com mais dois irmãos (sobrinhos) e ate o momento em nada eles demostra tendência homo afetivas.

    Responder

  11. Desculpa, mas o texto contém vários erros quanto a colocação do tema.
    Não existe “homossexualismo” como colocado no texto, visto que não é considerado doença. O termo correto é homossexualidade. Além disso, tampouco é correto o termo “opção sexual”, pois ninguém opta ser homossexual, já que é algo natural, que nasce com a pessoa. O termo correto é preferência sexual.
    E o principal da discussão é o princípio da igualdade e dignidade humana. Até quando os homossexuais serão colocados à margem de seus direitos, assim como foram os negros e as mulheres em um tempo não muito distante.
    Ainda há muito a evoluir.

    Responder

  12. Minha opinião é semelhante à da Valéria. Acredito que devam ter seus direitos, enquanto casal, respeitados (e nossas leis preveem isso, especialmente quanto à união estável), mas a partir do momento que envolve uma terceira pessoa, alheia à essa opção sexual e cuja formação de caráter e sexualidade ainda está incompleta, sou contra. Ainda que venha a retirar uma criança de um ambiente carente de afeto familiar, a adoção por um casal homossexual acabará por expor a criança a outras situações eventualmente vexatórias ou discriminatórias (sem entrar no mérito da opção sexual – inclusive, aí, um caso que conheço pessoalmente de criança criada por casal homossexual que seguiu a mesma preferência dos pais). Acredito que por mais que isso venha a se tornar algo corriqueiro no futuro, a sociedade como está hoje ainda não consegue assimilar algo como isto.

    Responder

    1. Quando uma criança filha de heterossexuais assume-se homossexual é influência ou é o que? Generalização é um erro que só comete pessoas que não querem aceitar que algo diferente pode ser bom. Conheço homossexuais que adotaram e os filhos são heterossexuais, o que me diz? Exceção? Precisamos abrir os olhos para o que está na nossa frente e ver que o diferente pode ser bom. Mas para ver, tem que abrir os olhos primeiro.

      Responder

  13. Na verdade me parece preconceituoso o próprio texto já que afirma que são preconceituosos os que dissentem do texto. Ora, todos sabem que os filhos são influenciados pelos filhos, isso é consabido cientificamente. Como o adotado não poderia ser influenciado pela opção sexual dos genitores, principalmente na afinidade civil, como no caso dos adotantes? ahcar que isso pode ocorrer é preconceito? JÁ se sabe que o homem naturalmente é bom, mas igualmente é um produto do meio, conforme J. Russeau. Assim, transparece-me que o meio onde o adotado será criado ainda não foi assimilado pela sociedade. Hoje o mundo está globalizado, será que vai imperar a sociedade do oriente ( china, india…) ou do ocidente. No oriente esse adoção não encontra guarida. Eles são contrários a dignidade só por não concordarem com isto. Uns se fundamentam no alcorão, livro vermelho, outros na bíblia. Quem tem razão Budá , Maomé, o ocidente. A própria igreja católica não admite a citada adoção!

    Responder

    1. Você me parece uma pessoa bem estudada quando fala de “teorias do desenvolvimento” porém deve ter faltado à algumas aulas, As pessoas, não somente as crianças, sofrem influência do meio sim, isso quem disse foi, Vygotsky, Piaget, Russou entre outros autores, porém nunca em momento algum os mesmos falaram sobre homossexualidade como aprendida ou influenciada. Você não tem base científica para afirmar que crianças sofrem influência da família na maturação da identidade sexual, muito pelo contrário, pesquisas apontam possíveis causas genéticas ou biológicas para este acontecimento. Porém enquanto a ciência não consegue explicar as causas e motivos para isto, pessoas preconceituosas continuarão aparecendo e as religiões continuarão disseminando preconceito infundado.

      Responder

  14. Nada contra, inclusive, penso que será melhor para a criança ser criada por um casal gay, com carinho, do que ser abandonada e descambar para a criminalidade!

    Responder

  15. Sou contra. A pessoa vive com quem quiser. Se quiser legalizar sua situação civil, ok. Mas criar crianças não. Nem mesmo o tradicional casal homem e mulher tem garantido estabilidade as crianças adotadas. Cerca de 30% das crianças adotadas são devolvidas. Não acredito que esta concepção de união forme uma ‘família’, embora possa formar boas ‘duplas’.

    Responder

    1. Coincidência ou não hoje pela manhã apresentei um artigo acadêmico sobre adoção e um dos assuntos era justamente este, a devolução de crianças, que acontece por casais heterossexuais, ate porque para que homossexuais adotem precisam recorrer a um juiz devido o preconceito da própria “justiça”. E qual estudo diz que a causa de as crianças serem abandonadas ou crescerem com distúrbios é causa de homossexualidade? A ignorância é a causa de tanta violência e não o amor entre pessoas do mesmo sexo. Existem hoje no país mais de 80 mil crianças em abrigos, e destas menos de 8 mil são adotadas, dizer que é preferível que uma criança cresça em um abrigo sem carinho e amor é o mesmo que dizer que é positivo que ela viva na violência, prostituição e drogadição que é o que acontece com estas crianças que não tem a oportunidade de ser adotada por uma família seja esta heterossexual ou homossexual.

      Responder

  16. Não tenho nada contra os homossexuais respeito suas opções sexuais, porem não concordo com o casamento gay e a adoção de crianças.

    Responder

    1. Primeiramente não caberá a nós, sociedade preconceituosa, julgar o antro familiar das pessoas, sejam elas hétero ou homossexuais. Diariamente temos divulgado na mídia, que uma criança foi destratada ou covardemente espancada até a morte, por uma desestruturada família, em regra heterossexual, mas que não compartilham entre si, amor ao próximo. A integridade, a lisura, e o afeto que é preenchido e compartilhado em um lar, é determinado pelos princípios comungados por aqueles entes, e não pela opinião pública. Ademais, não podemos, por mero preconceito, afastar o direito de uma criança efetivamente ser inserida em uma família, um lar aconchegante, confortável e rodeado de amor. Será que podemos, nós, que jamais frequentamos ou encaramos a difícil rotina de uma criança abandonada e entregue a um orfanato, opinar o que seria bom ou ruim? Sentenciar sobre o futuro de uma família, como fundamento o preconceito, por sermos conservadores demais, não é integro e correto. Não temos esse direito. Há muito mais coisas envolvidas, portanto, o assunto deve ser enfrentado de forma séria. Se a própria igreja católica que é a instituição mais antiga e conservadora do mundo esta mudando a sua posição, quem somo nós, mero mortais para julgar o que é bom ou ruim, certo ou errado. Vamos, cada um cuidar do seu jardim para que todos nós tenhamos uma grama verde e bem tratada. Pensem nisso. Ass. Um pai de família HETEROSSEXUAL.

      Responder

    2. Se começou com “tenho nada contra” é obvio que tem, direitos são direito. Casamento civil não sofrer interferência religiosa em pensamento e poder ocorrer normalmente, quem dirá adoção. É sabido que crianças adotadas por casai homossexuais não sofrem de “possíveis distúrbios mentais ou patologias da causa”

      A ciência sempre diz: preconceito e ausência de sabedoria/inteligência andam em conjunto”.

      Responder

    3. Valéria. Tenho que lhe informar, pois acredito que você nao tem o real conhecimento da palavra “porém”. Tome cuidado com a forma como você coloca esse termo se nao quiser que saibam do seu preconceito mascarado. Você assim colocou “Não tenho nada contra os homossexuais, respeito as suas “OPÇÕES” sexuais, “PORÉM”, nao concordo com o casamento gay e com a adoção de crianças.” Quando você traz este termo, você está pondo um parenteze, algo que vai contra o que havia dito. Vou reorganizar a sua fala, da forma como você realmente disse: “Respeito os homossexuais, embora nao concorde com o fato de eles escolherem ser assim e penso ser errado que tenham os mesmos direitos que os heterossexuais.” Acredito que a ignorância seja o mal da nossa sociedade, a generalização nos faz acreditar que o mal se sobrepõe ao bem e que no final, todos são ruins. Quando a sociedade abrir os olhos para o obvio e ver que assim como existem heterossexuais que roubam, matam, estupram, abandonam crianças e fazem inumeras barbaridades, também existem os heterossexuais bons, os honestos, os justos, aqueles que tem carinho, respeito e amor, Quando abrirmos os olhos e deixarmos de ser ingnorantes, vamos então ver que isso também se aplica aos homossexuais, sim, existem homossexuais que matam, roubam, que mentem, mas assim como os heterossexuais, existem os homossexuais que respeitam, que tem ética e moral, exiatem os que tratam ao próximo com amor, carinho e respeito. Quando deixarmos de ser ignorantes, vamos entao abrir os braços para o que se tem de melhor. A mídia hoje, assim como algumas religiões extremistas, quer disseminar preconceito quando mostram somente a violência que ocorre nas paradas gays, sim, me refiro àquela pouca vergonha de violência, atentado ao pudor e promisquidade, e propositalmente esquecem de mostrar o que possuimos de bom, não mostram que existe um grande contingente de homossexuais que vivem uma vida absolutamente comum, seguindo os mesmos valores que talvez você siga: amor, respeito a dignidade humana, carinho, valores éticos e morais. Quando isso acabar, essa coisa de homofobia, outros preconceitos virão, assim como foi e ainda é com o negro e passou para a mulher no mercado de trabalho, está sendo com os gays, com os estrangeiros e inúmeros outros. As pessoas criam um conceito ruim sem conhecer o real que as coisas são, é muito mais fácil negar o diferente do que enxergar, conhecer e então ver que é bom e ser feliz.

      Responder

      1. Não posso me manifestar contra ou a favor. Meus princípios cristãos não me permite fazer julgamento de qualquer um, já que sou um simples pecador. Posso me manifestar com um pensamento que tenho embasado no que acredito. Nós, viventes neste orbi, fazemos uma grande confusão, que me leva a con-
        cluir que de “AMOR”, nada entendemos, não sabemos o que é e muito menos para que serve. Não sei
        o percentual, acredito que a maior parte dos bilhões de nós pensa que amar é praticar sexo. Amor nada tem haver com sexo. Amor é sentimento, sexo é instinto. Posso amar sem sexo. Posso praticar sexo sem amar. O primeiro é da alma e o outro é da carne.

        Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *