Precificação estratégica no seu escritório de advocacia

Tempo de leitura: 3 minutos

Sabemos que a tabela da OAB define uma média para a precificação do trabalho em um escritório de advocacia. O valor jamais deverá ser inferior ao valor fixado na tabela, para não desvalorizar o trabalho da categoria, mas outros fatores devem ser levados em consideração na hora de precificar o serviço do advogado.

Confira abaixo uma lista com alguns cuidados que devem ser tomados antes de definir o valor que você irá cobrar para atender.

Valor da mão de obra

Antes de definir o valor cobrado no contrato deve-se considerar qual é a mão de obra direta do escritório e/ou profissional que vai trabalhar na causa. Sejam advogados ou estagiários, toda a equipe envolvida no processo deve ser contada na hora da precificação, considerando quanto tempo levará em média para que o caso seja atendido, qual a complexidade do caso e qual profissional vai tomar conta.

Além disso, é preciso constar no preço qual será o tempo mensal de consultoria que o profissional vai disponibilizar para o cliente, criando assim uma atmosfera de trabalho mais organizada.

Despesas fixas

São consideradas despesas fixas as contas de luz, água, aluguel, manutenção de equipamentos, entre outras. Quando um novo cliente chega ao escritório é preciso considerar na hora de precificar o contrato qual vai ser a porcentagem em cima dele que servirá para sanar as despesas fixas.

Não é possível depositar todo o custo fixo em cima de apenas um cliente, por isso uma análise precisa ser feita e o custo deverá ser dividido entre os clientes atuais, podendo ser uma divisão por processo ou até mesmo por quantidade de horas que serão disponibilizadas para o atendimento de determinado cliente. O cliente deve estar ciente de qual será o valor cobrado, por isso deverá estar bem definido.

Impostos

Quando um novo cliente ingressa no escritório os impostos pagos sobre o serviço prestado aumentam, por isso o preço de impostos deverá ser incluído na hora de firmar o contrato e definir o preço cobrado.

Quanto mais clientes uma empresa tem, maior é o seu imposto, que é calculado através de uma porcentagem, logo é necessário analisar essa porcentagem e entender qual é a adição a ser feita devido a entrada de mais um cliente. Quando uma nota fiscal é emitida, ela possui um valor tributário, por isso não fica difícil definir o preço que será cobrado do cliente, mas sim repassar o custo tributário do serviço prestado.

Lucro

Assim como qualquer empresa é necessário que lucros sejam incluídos no cálculo de precificação. Quando o pagamento das despesas fixas, dos impostos e da mão de obra é feito pelo próprio cliente, já se pode considerar um negócio que dá lucros, mas também existe a possibilidade de adicionar ao valor um porcentual de lucro, que agrega todos os fatores já citados a cima, como o tempo de disposição para o atendimento do cliente até a quantidade de profissionais envolvidos no processo. A ética é fundamental na hora de fixar o percentual de lucratividade.

Não é tão simples quanto nas outras profissões precificar o trabalho do advogado. Muitos fatores estão envolvidos, que valorizam a carreira do profissional e aumentam a motivação pessoal, por isso é preciso ter total ciência dos números da sua empresa para ver se ela está obtendo lucro ou se é necessária alguma modificação estratégica para um serviço de maior qualidade.

6 Comentários


  1. Boa noite.Gostaria que me tirasse uma duvida namorei um rapaz nove anos e tenho com ele uma uniao estaval para que eu pudesse usar o convenio medico dele e agora ele terminou comigo e tenho certeza que ele vai me tira do convenio dele mais estou em tratamento medico e nao tenho como paga um convernio pois nao posso trabalha queria saber se ele pode me tira do convenio e se tenho direito a uma pensao. fico no aguardo ,grata,,,

    Responder

    1. Luciana , namoro não é união estável. Houve um julgamento recente no STJ em março 2015, firmando muito bem a diferença entre namoro qualificado e união estável e esta última, para ter o seu reconhecimento, além de alguns outros requisitos, há que ser pautada com o intuito de constituir família. Este está sendo um requisito muito importante.

      Responder

  2. Bom dia.
    Muito importante este texto. Bater nessa tecla é necessário. O que se vê diariamente é o próprio advogado desvalorizando o seu serviço e por conseguinte, a classe.
    Através do trabalho de correspondente, advogados fazem trabalhos por verdadeira “merrecas”; chegam a atuar em audiência por valores irrisórios, R$ 30,00 e as vezes R$ 20,00.
    Para piorar, os correspondentes jurídicos contribuem para esta situação ao não se responsabilizarem pelo cumprimento dos contratos, estabelecendo punição aos contratantes que não pagam aos contratados pelos serviços realizados.
    Medidas têm que ser adotadas, sendo uma delas a conscientização.
    Parabéns.

    Responder

    1. Dr., muito obrigada por ter escancarado a realidade do que acontece com os correspondentes jurídicos! Amei a sua resposta, e acrescento: SINTO VERGONHA DO PROFISSIONAL QUE SE SUBMETE AO PAGAMENTO DE HONORÁRIOS VEXATÓRIOS. Mas sinto ainda mais vergonhas de profissionais que oferecem esses valores de honorários: desvalorizam toda a categoria.
      E o que dizer do escritório ou advogado que contrata o serviço e não paga? Graças a esses elementos temos uma sociedade que desconfia do causídico e o trata como verdadeiro larápio.
      O site pode ajudar. Mas a mudança só ocorrerá se o leitor tomar consciência de tudo que foi sacrificado para concluir o curso de direito, e valorizar cada suor, cada conquista: valorizar-se.
      Obrigada, colega! Colocação perfeita!

      Responder

    2. Absurdo o valor oferecido para os advogados diligenciar em processos. Chegam a oferecer R $80.00 para advogado e preposto! !!
      Postura indigna esta dos escritórios que precisam de advogados correspondentes e mais ainda dos correspondentes jurídicos que são solidários com esta prática imoral!!!!
      Não aceito fazer audiências por valores irrisórios e penso que os advogados não deviam se inscrever em correspondentes jurídico que cobram caro e não impõem regras mínimas para que esta relação tenha êxito.
      Quando vencer o prazo do meu contrato com este correspondente, com certeza não renovarem nunca mais!!!!

      Responder

  3. OLA! Boa noite! Em um caso de processo de condominio, tinha um advogado, que conduziu quase ate o final, pelo menos ate a ser marcada a data do leilão do imovel. Dai o Juiz determinou ser pago 10% para o Primeiro advogado. Dai vem a questão o outro advogado não quer terminar o trabalho da sua incumbencia para levantar a GUIA e depositar o valor na conta do condominio, o qual tem direito de receber o valor que sobrou do Leilão. Qual o PROCEDIMENTO…

    Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *