Reprovado no exame da OAB? Dicas para ter melhor sorte na próxima

Tempo de leitura: 4 minutos

O exame da OAB foi definitivamente regulamentado em 1994, momento em que se estabeleceu a competência da OAB para regulamentar e aplicar a prova como regra a fim de permitir a atuação de bacharéis como advogados.

Desde 2009, quando o exame da OAB foi unificado em todo o Brasil, o direito de advogar está se tornando cada vez mais restrito, principalmente em razão da reprovação praticamente em massa em todo o território nacional.

No ano 2010, 8 entre 10 candidatos foram reprovados. O índice de reprovação tem aumentado e, de acordo com a FGV, responsável pela aplicação da prova, o total de 2016 foi de 114.763 inscritos. Desse número, apenas 11.820 foram aprovados.

A média atual de tentativas de se passar no exame da OAB tem sido de 4 vezes, o que leva um desânimo geral entre os acadêmicos que terminaram o curso e que não conseguem exercer sua profissão.

Quais as causas na reprovação do exame da OAB?

O que deve ser observado nos exames da OAB é o fato de que não são os testes que são complicados, mas sim os fatores que podem ser a causa desse alto nível de reprovação.

Entre os especialistas, existem algumas causas principais, como enumeramos a seguir:

1. Deficiências no currículo escolar

Uma das principais deficiências é o despreparo dos estudantes. Eles terminam o curso de Direito com muitas carências que não foram supridas desde o ensino médio. Grande parte das faculdades não consegue suprir essas lacunas, aprovando os alunos no final do curso sem que estejam devidamente preparados.

2. Falta de conhecimento e iniciativa do formando

A segunda causa verificada foi com relação ao aluno, que não apresenta um nível de conhecimento compatível e também não busca ampliar e aprofundar o que sabe. Um formando que não sabe pesquisar, já que não aprendeu a fazer isso, não tem como buscar conhecimentos para ser aprovado no exame da Ordem.

3. Falta de qualidade dos cursos de Direito

A terceira causa analisada pelos especialistas em educação é a falta de qualidade nos cursos de nível superior, inclusive os de Direito. O Brasil vem praticando a universalização do ensino, dando acesso e ascensão a quem quer fazer cursos de nível superior sem testar sua competência e sem exigir a qualidade necessária, fazendo com que as faculdades também não se preocupem com a qualidade do ensino.

O que fazer para solucionar o problema quando você não foi aprovado?

É evidente que, após uma reprovação no exame da OAB, não resolve nada culpar o passado e a falta de consistência na jornada de ensino, desde o fundamental até uma faculdade sem qualidade de ensino.

O importante é saber que você terminou o curso e que precisa estar preparado para, numa segunda tentativa, conseguir aprovação. Para isso, é preciso tomar algumas atitudes sérias:

1. Manter a calma e o raciocínio frio

Embora não seja fácil ficar imune à decepção, é necessário tornar-se frio e calculista, entendendo que uma reprovação mais ensina do que atrapalha. O que é preciso é continuar estudando para conseguir aprovação.

A reprovação serve para você analisar a prova, considerando cada detalhe, analisando os motivos por que errou e procurando fazer o que é melhor no momento: mapear as suas dificuldades e conseguir um diagnóstico dessa sua reprovação.

Esse é o momento para retomar os estudos e manter a calma para aprender o que ainda não sabe.

2. Estudar o que mais errou

Não fique pensando que, para passar no exame da OAB, você deve focar o estudo em disciplinas onde pode se dar melhor. Se você gosta de uma disciplina, é evidente que você a conhece mais a fundo e que, assim, não precisa se dedicar mais a ela do que às outras.

Você deve estudar mais e se aprofundar naquilo que não foi bem, onde teve menor desempenho. Perceba que você foi reprovado nos pontos em que encontrou maior dificuldade e você não deve cometer o mesmo erro duas vezes.

Estude, sim, aquilo que você acertou, mas preocupe-se mais com aquilo que errou, independente de qual disciplina seja. Faça o máximo de simulados que puder, aprenda como funciona o exame da OAB e se aprofunde no que não sabe.

3. Não pare de estudar

Depois da reprovação no exame da OAB, você certamente vai precisar de um prazo para descansar e se recuperar, mas não fique muito tempo parado. Agora você deve aproveitar o embalo e continuar firme nos estudos, mantendo uma rotina séria e compromissada, criando um cronograma de estudos para a próxima prova.

4. Crie novas técnicas de estudo

Uma reprovação pode ser a chance de experimentar novos processos de aprendizagem. Se alguma coisa deu errado na última prova, procure saber a melhor maneira de aprender, aquela que seja mais adequada para o seu ritmo de vida e o seu modo de pensar.

Não desista: você tem condições de passar no exame da Ordem e fazer aquilo que sonhou desde o momento em que entrou na faculdade de Direito.

1 Comentário


  1. As respostas dadas pela Banca que Examina e Elabora as provas, estão em comum com o Direito o com a vontade dos que elaboraram as provas. Porque aprendemos um conceito, porem a resposta exige outro quando das perguntas e resposta. O que devemos fazer?

    Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *