A mentira é natural na vida do advogado?

Por | 2018-04-25T12:30:00+00:00 25 de abril de 2018|

Há um senso geral que insiste em afirmar que a mentira é algo, naturalmente,presente em ações judiciais, contando com a participação do próprio advogado. No entanto, devemos tomar cuidado ao encarar isso como uma verdade.
Claro que o advogado, da mesma forma que qualquer juiz, pode ser induzido ao erro quando está conduzindo um processo. Porém, erros/mentiras não podem ocorrer de forma proposital.

Confira abaixo algumas dessas mentiras que permeiam a vida dos advogados:

1.   O advogado não mente, possui um entendimento diferente sobre os fatos

Esse ponto de vista é bastante duvidoso. Afinal, existe uma grande diferença entre ter um entendimento diferente e um falseamento da verdade. O advogado pode interpretar segundo a lei e não apenas entender de forma diferente uma verdade.

2.   A mentira faz parte da profissão

O ser humano está acostumado a mentir, não porque gosta, mas porque precisa viver em sociedade. Entre os seres vivos desprovidos de consciência, como os animais, existe a dissimulação, já que não sabem falar ou pensar. Mas afirmar que a mentira faz parte da profissão de advogado continua a ser uma grande mentira.

3.   Afirmar que o cliente vai ganhar a causa

Alguns advogados insistem em dizer aos seus clientes que eles certamente vão ganhar uma determinada causa, quando isso não é verdade. Tudo vai depender da decisão judicial e não somente da vontade de uma das partes. O correto é informar as chances e possibilidades e não afirmar que o cliente vai ganhar só para conseguir mais um cliente.

4.   O advogado tem o direito de mentir

Essa afirmação não faz parte do Código de Ética da OAB. O advogado deve entender que ele é defensor dos valores do Estado Democrático de Direito e não pode agir de má fé, mantendo uma conduta compatível com os princípios da sua profissão.

5.   As partes podem mentir em juízo

Existe uma grande diferença entre mentir e omitir. Uma pessoa deve sempre falar a verdade em juízo, ao mesmo tempo em que também tem o direito de se calar.

6.   O advogado não mente, conta uma versão diferente

Nesse caso estamos entrando num terreno ainda mais perigoso. O argumento de contar uma versão diferente dos fatos apenas quer dizer que o advogado está modificando os atos reais, ou seja, está colocando os interesses de um cliente acima dos interesses da sociedade, depondo contra sua própria profissão.

7.   O réu pode mentir, já que o advogado não pode ser incriminado

Por último, vamos entender que o crime de falso testemunho é um crime que deve ser atribuído a quem o comete. Contudo, o advogado que orienta seu cliente a mentir, muito embora não responda pelo falso testemunho como autor, pode encontrar uma situação ainda pior, sendo partícipe do falso testemunho e, dessa forma, podendo ser incriminado também.