Stress e Advocacia

Tempo de leitura: 4 minutos

Realmente o cotidiano do advogado é estressante. Grande volume de processos, ligações de clientes a qualquer hora do dia, prazos processuais e constante atualização do conhecimento. Esses são alguns dos fatores que contribuem para a advocacia estar intimamente conectada a um stress rotineiro, caso não sejam tomados certos cuidados para evitar o mesmo.

O dia a dia do advogado definitivamente não é fácil. Já nos primeiros anos de escritório tem de se dedicar exaustivamente para ganhar nome no mercado, sabendo que frente ao grande número de ações ajuizadas e a morosidade processual, apenas no segundo ano de atividade começará a entrar dinheiro no caixa. Portanto, tem que aguentar as despesas de escritório por muito tempo sem receber qualquer valor, gerando insegurança em muitos profissionais. Fator esse que define a permanência ou não no mercado de inúmeros escritórios de advocacia.

Além disso, dedica-se enormemente na finalidade de alcançar o direito do seu cliente, prestando um serviço de qualidade para atingir as expectativas de quem o contratou, bem como a sua, haja vista o sucesso gratificante com o ganho de causa.

Logicamente, que nem sempre os pedidos serão julgados como procedentes e talvez o profissional perca muitas ações. Não bastasse a infelicidade com a improcedência, o advogado também deve prestar esclarecimentos aos seus clientes. Tarefa na maioria das vezes desagradável e estressante.

Outro fator determinante para o stress é a falta de organização dentro do próprio escritório. Existem situações que o advogado empregado fica sobrecarregado com a grande carga de trabalho. Dessa maneira, o resultado provavelmente não será um dos melhores, causando ainda mais stress com o advogado contratante e no seu cliente. Ou seja, uma reação em cadeia.

Essas situações acumuladas ao longo do tempo vão desgastando a saúde do advogado e a sua qualidade de vida vai piorando na medida em que os dias passam. Resultado: saúde debilitada, profissional frustrado e infeliz com a sua profissão, além do risco de não desfrutar do melhor da vida em virtude de apenas pensar em trabalho e dinheiro.

Muitas vezes o stress passa até despercebido, parecendo ser normal para o advogado, dando a entender que não o prejudicará futuramente. Todavia, esse mal invisível e silencioso vai tomando conta do profissional, resultando, muitas vezes, em uma grave doença.

Por isso busque se organizar e tenha tempo para tudo. Dedique seu tempo ao trabalho, se entregue realmente a sua profissão, profissão que você ama e sente prazer em exercê-la. Contudo, não se esqueça de que existem outras coisas que você adora fazer, bem como pessoas que você ama e que talvez você não perceba a importância delas quando está apenas focado no trabalho. Às vezes você vai perceber o valor e a importância de muitos amigos e da sua própria família no momento em que você notar que já não as possui mais.

Busque seus amigos com mais frequência. Dedique um tempo maior à sua família. Tente manter uma rotina diária de qualquer atividade física. Durma bem. Alimente-se bem. Tenha uma vida saudável!

Com toda a certeza você notará a diferença nisso no seu trabalho, culminando em uma dedicação e produção ainda maiores!

Obviamente que o advogado possui muitas responsabilidades. Ele (você) sabe disso. Porém, parece que muitos profissionais se preocupam tanto com a vida de seus clientes e dos problemas que precisam ser sanados que acabam se esquecendo da própria vida. Acabam se esquecendo de que a vida está acontecendo enquanto estão preocupados com outras coisas, sem se importar com a sua pessoa e quando dão conta, a vida passou em um piscar de olhos.

O artigo não tem o propósito de levar você a crer que não deva dedicar-se tanto ao trabalho. Pelo contrário, pretendemos demonstrar que com uma qualidade de vida, o seu trabalho também será melhor e mais eficaz. Além disso, queremos lembrar que no fim das contas, o que importa são os momentos mais simples da vida e de estar perto de quem a gente ama. Nunca se esqueçam disso!

E você, anda estressado? Comente abaixo o que mais te estressa na advocacia.

Até o próximo artigo.

16 Comentários


  1. O que mais me estressa na advocacia é a demora do judiciário e clientes chatos que ligam todo dia e a qualquer horário para saber o andamento de seus processos, entran com a com a ação em um dia e no outro ja querem um resultado. Mas mesmo com o dia a dia estressante de advogada, amo minha profissão, e não desistirei jamais, porque poucas profissões tem o mesmo respeito que essa nossa, e o sucesso só depende de nós, do nosso trabalho bem feito.

    Responder

  2. confesso que o que mais me estressa é a situação financeira e esta ideia que todos têm de que todo advogado é rico e tem que trabalhar de graça.
    É uma insegurança financeira muito grande. Você trabalha e não recebe, ou o cliente acha que tá cobrando caro.
    Chega o dia de pagar as tuas contas tu.não tem um centavo no banco e ainda tem que fazer cara de feliz.
    Confesso que as vezes a vontade que tenho é de jogar tudo para o alto e ser assalariada novamente.

    Responder

  3. A OAB SE METE EM TUDO QUE ESTA NA MÍDIA, SÓ PRA APARECER MAS QUANTO A SUA PRINCIPAL OBRIGAÇÃO NADA FAZ. O TRIBUNAL DEIXA OS CARTÓRIOS ESVASIAREM DE FUNCIONÁRIOS QUE SE APOSENTAM, MORREM ETC SEM REPOR E, ASSIM PRA JUNTAR UMA PETIÇÃO CHEGA DEMORAR ABSURDOS 60 DIAS.

    Responder

  4. Sou militar reformado e Advogado, realmente todo o conteúdo contido na matéria supracitada deve ser levado a sério por toda a classe Advocatícia, pois, reformei e passei a Advogar, a alegria de estar em uma nova profissão me fez esquecer de tudo e ficar fixo somente no escritório,, clientes, processos em fim, esqueci que tinha aposentado da vida militar depois de trinta e poucos anos de trabalho ativo e que deveria descansar um pouco, dar mais atenção a família, pois o militar, não tem tempo para a família e assim ” pato novo mergulhei fundo”, saindo do escritório todo dia depois das 21/22horas, levando processos para casa, final de semana pior ainda, leitura formação de processos etc, até que depois de ( 3) anos, fui acometido por um AVC, sequela no lado esquerdo limitação, trabalho para a família, em fim transtorno geral, hoje alguns anos depois já controlada a infermidade, tenho vontade de voltar a ter de novo escritório, mas lembro-me de todo o ocorrido nestes anos e que cliente, não dá valor, sem polemizar fico por aqui, curtindo a vontade, mas dando mais valor a minha família; a vida agradecendo a DEUS pela grande oportunidade que me deu de conhece-lo melhor e vivendo em nome de jesus. . .

    Responder

  5. Sou advogada há mais de 11 anos e tenho orgulho disso. Realmente nossa rotina é estressante. Prazos para cumprir, batalhar clientes, gerenciar escritório, prestar serviços eficientes e satisfatórios ao cliente não é uma tarefa fácil. A morosidade da Justiça, funcionários públicos mal humorados que não atendem bem os advogados, autoridades que ferem nossas prerrogativas, clientes que não pagam honorários e temos que entrar com ação de cobrança ou execução de honorários são bem estressantes. Apesar disso tudo procuro fazer atividades físicas todos os dias, ficar mais com minha família e amigos, ter momentos de lazer, cuidar da alimentação para ter melhor qualidade de vida. Trabalhar sim, mas visando o bem estar e a qualidade de vida.

    Abraços a todos,

    Responder

  6. me estresso com o dia a dia, cliente ligando, querendo solução de processos emperrados no judiciário e as vezes não entendem que a culpa não é do advogado e sim do próprio sistema. É muita pressão todos os dias é extressando e acaba nos desgastando

    Responder

  7. Cliente ligando a toda hora para saber o andamento do processo.

    Responder

  8. Artigo pontual. O que mais me estressa é o processo judicial digital e todos os problemas que envolvem este tema. A última incompetência do TRT: o sistema não está 100% adequado para funcionar com programas de última geração! Comprei um computador novo, com programas zero bala e o bendito token não funcionou! Os programas devem ser antigos para funcionar, vou precisar de dois técnicos para “fuçar” até a coisa desenvolver. Isto acaba com qualquer profissional preocupado com prazos, prazos, prazos… São 25 de advocacia incessante! E a aposentadoria está longe! um abraço
    Cleunice

    Responder

    1. É, o PJE do TRT é péssimo. Até no suporte técnico ninguém entende.
      Ainda bem que não atuo na área trabalhista.
      O pior é que ninguém resolve o ineficiente PJE do TRT.

      Responder

  9. Primeiramente, parabéns ao autor do texto pela sensibilidade.
    O tema realmente é muito importante, contudo, nós advogados não percebemos.
    Qualidade de vida acima de qualquer coisa.
    Abraços freternos!

    Responder

  10. O que mais me aborrece é trabalhar com afinco pela causa de um cliente que procura consumir todo seu tempo e quando ganha o processo, quer lhe passar a perna. A OAB socorre o inverso, ou seja, o cliente que se sentiu lesado pelo advogado e o chama para conversa e quem sabe, um acordo; ao passo que o advogado só pode correr pras vias normais, quer dizer, o judiciário. A OAB não possui um canal de conciliação com o cliente para ajudar o advogado que sentiu-se lesado pelo cliente e daí, quem sabe, sair um acordo sem a necessidade de bater a porta do judiciário.

    Responder

  11. Bom dia,
    Parabéns pelo texto, é de extrema relevância ficarmos atento a nossa qualidade de vida.Pois só assim será possível suportar toda a carga de stress originário da profissão de advogado, por razões diversas e singulares.
    Saúde e sucesso para todos.

    Responder

  12. O mais estressante na advocacia, ao meu sentir e, principalmente, em determinadas Unidades da federação é o descaso comq as causas são tratadas e o pior éq que muitas delas são julgadas em função das partes envolvidas e n~ da razão motivadora.

    Responder

  13. Ótimo artigo que nos faz repensar um pouco nosso ritmo de vida, concordo com tudo e gênero, número e grau. Parabéns.

    Responder

  14. Eu me estresso com a falta de respeito com que muitos profissionais donos de escritório tratam os advogados contratados. Ora! Somos todos colegas na profissão, passamos pelos bancos acadêmicos, a unica coisa que nos separam é a sorte que tiveram em conseguir manter um escritório de advocacia e nós não. Muitas horas de dedicação, sem nenhum reconhecimento ao final. E a isso somam-se um Poder Judiciário sucateado, processos infindáveis, funcionários públicos mal amados e alguns clientes que se julgam “entendidos” no ramo… E ai está completo o roteiro para uma vida estressante. Por isso, apesar de amar a advocacia, tenho essa profissão por vocação mesmo, resolvi deixá-la.

    Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *