A importância da publicação de artigos para a carreira do advogado / bacharel em Direito

Tempo de leitura: 4 minutos

Para o advogado não basta apenas ter concluído o curso e começar sua carreira. Como diziam os mais velhos, muita água ainda precisa rolar sob a ponte. Um dos pontos importantes para a carreira de advogado é o conhecimento da legislação, da jurisprudência, dos trâmites dos processos judiciais. Mas isso apenas não basta.
O advogado precisa e deve saber se comunicar. Mais ainda: comunicar-se bem em sua própria língua, ou seja, em nosso idioma, que falamos desde quando começamos a falar, que aprendemos na escola desde o ensino fundamental e que nos acompanha pela vida toda.
A exigência do conhecimento do idioma português é um dos principais requisitos para poder prestar uma prova de concurso público, seja para a prova específica de matéria da língua portuguesa, seja para a compreensão de todas as questões. Um advogado que não tiver o melhor conhecimento do idioma português, em princípio, não terá condições de ao menos compreender uma prova de concurso público.
Na própria carreira jurídica, qualquer advogado se torna um profissional de respeito quando conhece bem o idioma, quando expressa-se corretamente, dentro dos padrões exigidos pela formatação do idioma jurídico, com peças bem elaboradas, sustentações orais coerentes e interpretações embasadas em conceitos bem formulados.
Além disso, os artigos podem ser úteis como uma forma de demonstrar seu interesse e seus conhecimentos sobre determinados assuntos e até colaborar para a formação de opinião da sociedade.

A importância do idioma português na área jurídica

Na área jurídica, o conhecimento do português é de primeira necessidade. Nem é preciso salientar essa informação. E não apenas para oratória. Podemos, em primeiro lugar, lembrar os concursos públicos, possivelmente a primeira opção para a maior parte dos novos advogados, uma vez que a carreira no serviço público garante boa remuneração e estabilidade.
A comunicação na língua portuguesa, no entanto, tem suas várias vertentes. Um indivíduo pode ser um poeta, e vai comunicar-se em português, utilizando as palavras do idioma para expressar o que está sentindo. Um escritor, da mesma maneira, vai utilizar as palavras, mas para contar uma história.
Para um técnico, o idioma português deve ter palavras próprias, que sejam inteligíveis dentro de um relatório ou um manual. E para um analfabeto, o limite de palavras o deixa apenas expressar o seu muitas vezes também limitado pensamento, sua limitada visão de vida, expressando-se apenas para o necessário à sua sobrevivência.
Entendemos, portanto, que a língua portuguesa é nosso meio fundamental de comunicação. Dela precisamos o tempo todo e com ela precisamos aprender a nos expressar corretamente, dentro dos padrões que vivenciamos, dentro das funções que exercemos, dentro da profissão que escolhemos.
Na oratória, uma pessoa que fala bem, que sabe se expressar, tem o seu destaque e tem a atenção do público para quem se dirige. Para o advogado, a oratória é essencial, é através da palavra bem dita, do pensamento bem formulado e das razões alicerçadas que poderá acusar ou defender.

Para um advogado, o que é necessário para poder se expressar em português correta e coerentemente?

Em primeiro lugar, a leitura. É lendo que aprendemos a nos comunicar, é lendo que apreendemos o conhecimento necessário para desenvolver nossas atividades, é lendo que nos dispomos para as inovações e para a compreensão do mundo e das pessoas.
Em segundo lugar, escrevendo. Todo o conhecimento que carregamos pode ser expresso por nossa linguagem oral, de forma coerente e podendo ser entendida pelas pessoas, mas escrever é tornar a palavra embasada, cheia de vida e pronta para ser perpetuada. Escrever artigos, para um advogado, é um exercício de linguagem, de conhecimento, de oratória, de jurisprudência e de vivência.
Quando nos expressamos verbalmente, podemos formular ideias, mas essas ideias não estão registradas senão na memória, e a memória, como sabemos, é muito falha. Ao escrever, além da elaboração das ideias, de sua formulação correta e coerente, também podemos nos deter a observar, analisar, verificar, corrigir e criar um roteiro específico para o melhor entendimento da ideia que estamos passando.
Escrever é um exercício que nos leva à perfeição na elaboração das ideias e na sua formulação. É um exercício que deve ser praticado constantemente, aprimorado a cada novo texto, melhorado a cada novo pensamento.
Como advogado, se uma pessoa pretende ter uma carreira brilhante e admirada, o hábito de escrever é o caminho mais acertado: escreva, expresse-se através do melhor português que existe dentro de você.

Publique agora seus artigos no Jurídico Correspondentes!

1 comentário


  1. Muito interessante o tema do artigo, realmente a leitura e o hábito de escrever é a forma mais completa de expressar suas ideias e a demonstração concreta de conhecimento. Uma pessoa que se expressa bem possivelmente também tem um ótimo hábito de praticar a leitura.

    Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *