Não passei na prova da OAB. E agora?

Tempo de leitura: 2 minutos

Não passar na prova da OAB não significa que a profissão acabou ou que o mundo caiu sobre as costas do candidato. O fato de ser reprovado na prova da OAB deve apenas ser considerado como mais uma das tantas frustrações que enfrentamos na vida, não como uma tragédia grega.

Se você não passou na prova da OAB, não deve ficar se lamentando pelo fracasso momentâneo. O momento deve ser aproveitado como uma grande experiência e como forma de conseguir impulso para superar os obstáculos na próxima prova. Afinal, se não houvesse segunda chance é que o caso poderia ser considerado como tragédia.

Um dos impulsos naturais ao ser reprovado na prova da OAB é lamentar pelo resultado injusto, já que o candidato estudou muito, mas esse ponto de vista não vai trazer qualquer resultado. A única opção é pensar na próxima prova, aliviar a cabeça e saber que você terá uma nova chance.

Estudar mais e mais

Por pior que possa parecer a situação, é preciso continuar, dar o primeiro passo para retomar os estudos e esquecer a prova que não teve aprovação. Mas, não apenas esquecer: saber onde ocorreu o erro. Assim, é preciso pegar a prova e fazê-la novamente, resolvendo todas as questões, mesmo as que você tenha acertado.

Depois de compreender bem a prova, fazendo uma análise mais aprofundada, você poderá dar o segundo passo, buscando as matérias que precisa estudar para conseguir aprovação na próxima.

LEIA MAIS

Em que situações um correspondente jurídica precisa de OAB?

Dicas para estudar para a 2ª fase da prova da OAB

Onde trabalhar antes de ser aprovado na prova da OAB?

Ao analisar a prova você poderá encontrar questões que tenha errado por pura distração, por falta de atenção ou por ter tido o famoso “branco” das provas. Incidentes que devem ser considerados normais, mas para os quais você também precisa se preparar.

Somando todos os pontos, com questões erradas por falta de conhecimento, com aquelas que você simplesmente esqueceu, analise se você teve uma preparação adequada.

Se você se dispuser a resolver a prova novamente, vai encarar a situação de frente, encontrando as disciplinas em que foi mal e sabendo que são essas que devem ser mais estudadas. As que você já conhece, deixe para depois. Tenha em mente que na próxima prova da OAB você será aprovado.

1 Comentário


  1. Sobre a OAB
    No Brasil, o estudante de Direito, após cinco anos de faculdade e legalmente diplomado, só poderá advogar se for aprovado no chamado Exame de Ordem, exigido pela Ordem dos Advogados do Brasil – OAB. Para quem não sabe, este exame é controlado somente pela OAB, que não admite qualquer participação ou fiscalização do Estado ou do Judiciário e, muito menos, do Tribunal de Contas da União.
    Criado em 1994, o exame já afastou do mercado mais de 750 mil bacharéis, apesar de seus diplomas serem reconhecidos pelo MEC e validados pela Lei 9.394/96 (LDB) e pela Constituição Federal. A OAB defende a prova dizendo que ela existe em outros países, inclusive nos Estados Unidos e, por isso, deve ser mantida no Brasil. Mas o que a OAB não diz é que existem distinções muito sérias, entre o que é feito aqui e o que é feito lá na América, por exemplo. (veja: http://en.wikipedia.org/wiki/Bar_examination).
    Respondendo a pergunta “Quem administra o exame?” já se vê uma diferença gritante: enquanto que aqui, o exame é controlado por uma instituição privada – a OAB – sem participação nenhuma dos Poderes Executivo e Judiciário, nos EUA tudo é feito pelo Estado e sob o controle total do Judiciário, que trata a questão com mão de ferro, rigorosamente dentro dos princípios morais, éticos e constitucionais daquele país. Isto porque o advogado é essencial para a Justiça e o Judiciário é o cerne do Estado Democrático de Direito. Para os americanos, é inadmissível deixar o controle do acesso à tão importante função pública, nas mãos de um conselho de classe, cuja razão de ser são os interesses privados de seus associados!
    Existem muitas diferenças, entre os sistemas de formação em Direto e de admissão de advogados, do Brasil e dos EUA e o assunto não se esgota aqui. Mas em essência, o jovem americano, depois de três anos de curso, tem que passar no Bar Examination, para ser admitido à bar – “barra” ou “portão”, que é o que separa o público dos advogados, promotores e juiz, num tribunal. “Ser admitido à barra” é poder atuar como advogado.
    O Bar Examination reúne três exames administrados pelos Governos Estaduais e é supervisionado e controlado pela Suprema Corte, Corte de Apelação ou pelo Tribunal Superior. Isto é, a participação do Judiciário é plena e imprescindível. As dezenas de associações e ordens de advogados americanas não participam em nenhuma fase do processo. Aliás, elas são voluntárias e têm apenas funções sociais e de lobby. Não regulamentam a prática do Direito, não dão permissão para advogados trabalharem e não punem advogados!
    Um dos exames é o Multistate Bar Examination – MBE, aceito na maioria dos Estados. São 200 questões de múltipla escolha, que devem ser respondidas em seis horas. Embora tenha mais questões do que o Exame da OAB, o tempo é suficiente porque a prova americana não tem “pegadinhas” ou perguntas feitas para induzir ao erro. As questões são elaboradas por Comitês Estaduais de Redação, formados por peritos nomeados pela Suprema Corte, reconhecidos nas diversas áreas temáticas do exame. Antes de serem selecionadas para o exame, as questões passam por um processo de revisão complexo, ao longo de vários anos. Isso mesmo: vários anos! Além da revisão rigorosa pelo Comitê Estadual, cada pergunta é revisada também por especialistas nacionais e, só depois de passarem com sucesso por todos os comentários e análises, é que são incluídas no exame!
    O Multistate Essay Examination – MEE, feito obviamente em outro dia, é uma prova discursiva de 9 questões, devendo o candidato responder 6, num prazo de 3 horas. O interessante é que, para fazer a prova, entre outras coisas, o aluno pode levar: dois travesseiros, uma estante para livros, um apoio para os pés e, veja só: um notebook com conexão à internet para ele baixar o exame e responder as questões via on line!
    Os exames americanos são rigorosos sim, mas não são feitos para eliminar o candidato, controlar o mercado de trabalho ou auferir lucro. O aluno tem todas as condições para fazer uma prova justa, democrática e elaborada com transparência.
    Uma prática que está sendo considerada como tendência nos EUA, é o que já ocorre no Estado do Wisconsin. Lá eles praticam o Diploma Privilege (Privilégio do Diploma) que é justamente o reconhecimento do Diploma do bacharel, dispensando-o do Bar Examination. Em New Hampshire, desde 2005, o Daniel Webster Scholar Honors Program, dá uma certificação que também dispensa a exigência dos exames.
    Na América, ao contrário do que ocorre aqui, não há suspeitas sobre a lisura dos exames. A correção é feita dentro dos mais elevados padrões de legalidade e transparência pelos Comitês de Examinadores, também nomeados pela Suprema Corte. É um sistema estruturado para dar seriedade e excelência ao processo, focando a qualificação do candidato, dando-lhe uma pontuação e não reprovando, pura e simplesmente.
    Em resumo, podemo dizer: Nos Estados Unidos, os exames são elaborados, aplicados e corrigidos pelo Estado, sob a vigilância e controle constitucional do Judiciário e com o reconhecimento, pelas “OAB´s” de lá, de que somente o Poder Público detém a soberana função de qualificar, avaliar e habilitar um estudante para a profissão de advogado! No Brasil, é o contrário: a OAB, um conselho de classe, com interesses privados, afirma ser a única que pode qualificar, avaliar e habilitar os advogados – já que não reconhece o diploma do bacharel em Direito -, atropelando as prerrogativas constitucionais do Estado/MEC, impõe aos bacharéis um Exame elaborado, aplicado e corrigido somente por ela, não admitindo a participação do Judiciário no processo e não aceitando que o Tribunal de Contas da União controle e fiscalize as suas contas! Uma situação, no mínimo, estranha, não é?
    Diante disso tudo é razoável que se pergunte: Qual dos dois sistemas atende aos princípios da boa fé, da razoabilidade e do bom senso? Em qual dos dois sistemas há indícios de inconstitucionalidade?
    Fonte: Oduvaldo G. Oliveira – Jornalista (reg. 1659MT-DRT/MTE)
    http://www.nacaojuridica.com.br/…/qual-e-diferenca-entre-o-…

    Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *