Quanto devo cobrar por meu trabalho de advogado correspondente?

Tempo de leitura: 4 minutos

A situação financeira de um advogado no começo de carreira é um dos grandes problemas enfrentados na profissão: deve ele seguir ou não os valores cobrados normalmente no mercado? Deve cobrar pela tabela da OAB ou não?

Para o advogado correspondente a situação não é diferente. Afinal, quando começa a trabalhar nessa atividade, precisa conquistar clientes e um dos pontos que faz a diferença é o valor de cada diligência.

A tabela da OAB deve funcionar, para um advogado, como um parâmetro, um norte para que ele possa se guiar. Assim, com o tempo e a experiência, cada advogado pode criar os seus próprios valores, dependendo do tipo de clientes que ele mantém em sua carteira, nunca esquecendo é claro da constante luta contra o aviltamento dos honorários advocatícios.

Vamos considerar, também, que para o correspondente não pode ser diferente. Se ele possui uma tabela da OAB – algumas seccionais já possuem uma tabela com valores mínimos – pode começar seguindo essa tabela ou usar as existentes. Logo, conforme vai se aperfeiçoando, estabelece um método próprio de cobrança, fixando os valores que considera mais corretos para seu trabalho.

Advogado correspondente não pode aviltar os honorários

O correspondente jurídico deve ter em mente que os honorários devem ser compatíveis com o serviço prestado. É importante lembrar que honorários diferenciam-se de salário, já que não há uma relação de emprego entre as partes, mas que tanto um salário, quanto um honorário servem para o mesmo objetivo: manter a condição financeira do profissional.

Os salários funcionam de uma só forma: são a contraprestação dos serviços prestados através de um contrato de trabalho, enquanto que os honorários podem ser de três tipos diferentes, quando se trata de advocacia: honorários convencionais, arbitrados e sucumbenciais. Para o correspondente só existem os honorários convencionais, já que existe um acordo entre as partes para o pagamento de uma diligência.

Na hora de estabelecer os honorários deve-se também considerar que os honorários são devidos pelo serviço prestado, e não pelas despesas decorrentes de uma diligência. Portanto, deve-se deixar claro que despesas como transporte, cópias de documentos, diárias e outras não fazem parte dos honorários e sim devem correr por conta do contratante.

A OAB e as tabelas para cobrança de honorários

O Estatuto da Advocacia da OAB determina que os Conselhos Seccionais devem elaborar e manter tabelas com valores mínimos atualizados referentes a serviços prestados pelos advogados. Dessa maneira, fica garantida a remuneração justa para que não haja negociação de honorários aviltantes, o que seria uma prática desleal da profissão.

Não havendo uma tabela para correspondentes, esses profissionais podem tomar como base a tabela de valores mínimos da OAB de sua região, já que são valores que servem de referência, ajudando a manter a importância de sua função.

O que pode influenciar nos honorários?

Deve ser levado em consideração todos os fatores necessários na hora de estabelecer seus honorários. Por exemplo, a complexidade da causa, o tempo necessário para realizar as atividades, a quantidade de trabalho, o caráter da intervenção (ou seja, quando se trata de um cliente habitual ou de um avulso), entre outros.

O valor estabelecido pelos honorários também devem levar em consideração as causas de maior valor econômico, situação que aumenta a responsabilidade do advogado correspondente, havendo, nesses casos, cobrança maior pelo resultado. E não há como deixar de lado a circunstância da prestação de serviços, como a obrigatoriedade de ir até outra comarca, por exemplo, que tomará mais tempo, impedindo a realização de outros serviços.

Uma condição que pode ser seguida é a conversa com outros profissionais que atuam na mesma área. Através dessa troca de informações ocorre a ciência sobre valores cobrados usualmente, embora seja uma situação delicada, principalmente quando se trata de concorrência entre advogados iniciantes e que estão atuando como correspondentes.

Correspondente deve valorizar sua atividade!

Algumas seccionais da OAB, como já salientamos, estabeleceram valores e implantaram tabelas próprias para diligências. A criação dessas tabelas é de suma importância para evitar a desvalorização da atividade.

A atividade de correspondência é muita procurada pelos jovens advogados e estagiários, que nela encontram meios de se sustentar e ganhar experiência.

O correspondente, para cobrar pelo seu trabalho, deve, no mínimo, atender às tabelas existentes, evitando o aviltamento de preços. A intervenção da OAB em determinadas seccionais tem o objetivo de evitar distorções, não precisando ser seguida ortodoxamente, mas sim pelo menos evitando abusos. Seja por parte dos contratantes, que preferem pagar valores menores, seja por parte dos contratados, que se sujeitam a esses preços.

O advogado correspondente é um profissional como qualquer outro advogado e deve, em princípio, respeitar-se! Portanto, dever estabelecer valores razoáveis, que não fujam da tabela ou que respeitem pelo menos os valores mínimos estabelecidos para se mostrar um profissional capaz e competente.

29 Comentários


  1. Compartilho da opinião da maioria. Ocorre um leilão e total desvalorização profissional. Deve existir um mínimo a ser respeitado para que a ferramenta seja realmente vantajosa para contratado e contratante.

    Responder

  2. Como faço para incluir a opção “casos jurídicos” ao meu perfil?

    Responder

    1. Olá, Daniela. Primeiro é necessário que você seja advogada formada e com OAB.

      Se atende a esse critério, basta acessar seu Painel no site e incluir essa opção em “editar perfil”. Se não conseguir, envie um e-mail para atendimento@juridicocerto.com que nós ajudaremos.

      Um abraço!

      Responder

  3. Assinei o Jurídico certo por algum tempo e cancelei o cadastro, pois, durante esse período não consegui realizar nenhuma demanda. Gostaria de sugerir ao jurídico Certo que estipulassem o valor conforme a diligência seguindo as tabelas existentes que já foram estipuladas pela classe, dessa forma, evitaria-se a desvalorização de um trabalho tão importante. Jurídico vejo que a equipe tem condições de mudar essa realidade, visto que, já existem tabelas reconhecidas e legais, que não gerariam ônus, mas sim, traria satisfação e credibilidade para o site que tem um grande potencial como ferramenta para os advogados.

    Responder

  4. O que oferecem para advogado correspondente é uma piada de mau gosto. Já recebi proposta de 10 reais para dar entrada em petições. 35 reais para fazer audiência em juizado. 50/ 60 advogado e preposto para audiências cíveis. Fui responder reclamado para um sujeito e ele respondeu cheio de desaforo…

    Responder

  5. É absurdo o que os colegas estão fazendo!! Tem advogado cobrando R$ 50,00 para uma audiência de conciliação no JEC! Isso é revoltante!!! E, por óbvio, tal egoísmo prejudica toda a categoria.

    Responder

  6. De Fato Lamentável, cadastrei há pouco e propostas surgiram aos montes, porém sem fechar nenhuma diligência sequer. Utilizo como base as tabelas da OAB e da própria Jurídico Certo, porém sem êxito.
    Ao utilizar uma plataforma onde somente uma das partes ganha, qual seja a jurídico, isso não é vantagem. Algo deve e merece ser feito, caso contrário o desrespeito continuará.
    Decepcionado.

    Responder

  7. Infelizmente, tenho me deparado com o pleno exercício do aviltamento pelos “grandes” escritórios através desta plataforma!!! Já me deparei com o oferecimento para a realização de uma AIJ (advogado + preposto) pelo ínfimo e irrisório valor de R$ 60,00!!!! Um absurdo o que estão fazendo com os profissionais do direito.

    Responder

  8. Infelizmente os valores não seguem critérios éticos na contratação. Apenasmwnte a plataforma deixa a desejar por não possuir um valor mínimo (interessante para que o correspondente tenha a faculdade de demonstrar o valor que deve ser cobrado), caso contrário fica demonstrado que a forma de “cotação” não passa de um verdadeiro leilão que, ao meu ver, não passa de um verdadeiro abuso por parte daqueles que necessitam contratar. Valorizar a nossa classe é o mesmo que valorizar os préstimos pagando o que é justo e não o “leilão” que vem ocorrendo diariamente nessa plataforma!

    Responder

  9. Achei este sistema uma decepção, baxei para 20% do valor da tabela só para ver ate quanto chegaria, não ganhei. Imagina o que estão cobrando. Outra coisa, não poderia cobrar de outra maneira a nao ser juridicopag. Só levei calote com este sistema.

    Responder

    1. Olá, Jefferson.

      Vale lembrar que não impomos o Jurídico Pag como forma de pagamento. É possível negociar o recebimento de outras maneiras com o solicitante. Não recomendamos isso porque aí não podemos ajudá-lo em caso de calote, como mencionou acima.

      Agora, com o Jurídico Pag não existe calote. O pagamento sempre acontece após finalização da demanda. Se por acaso você teve algum problema, favor nos explicar melhor no e-mail atendimento@juridicocerto.com.

      Abs!

      Responder

  10. Concordo com a colega Alessandra, o Jurídico Certo deveria estabelecer um valor mínimo para as diligências.

    Responder

  11. Se o advogado tem compromissos no fórum, poderá realizar diligências como “advogado correspondente” e cobrar pouco. Mas se tem que ir somente para prestar esse serviço, não vale a pena, ainda mais se o fórum for distante. Audiência por R$ 150,00 é piada. No JEC então, que costuma ter audiências a noite, por menos de R$ 800,00 nem pensar.

    Responder

    1. O Jurídico Certo prestaria um grande serviço à OAB se incluísse dentro da sua plataforma um mecanismo restritivo e bloqueio para aviltamentos praticados sobre valores determinados na Tabela de Honorários recomendada pela OAB.
      Enquanto não houver algum mecanismo que discipline este tipo de conduta e iniba clara e categoricamente os “profissionais” que não possuem, um grama, de respeito por si próprios nem pelos seus pares, essa plataforma só terá valor efetivo do pondo de vista econômico e financeiro aos seus próprios criadores.
      Há muito tempo, me dei ao trabalho de oferecer essa sugestão aos mesmos, e, adivinhem qual foi a resposta que obtive: NENHUMA, estou esperando!!!
      Quando o Jurídico Certo criar o mecanismo eu invisto na minha divulgação.
      Abraço aos colegas e tratem de valorizar a categoria, senão, é um tiro no pé!

      Responder

  12. Realmente os valores quando oferecidos pelos escritórios para diligências não chegam nem na metade do valores da tabela da OAB, mas na maioria das vezes ele perguntam qual é o valor que vc cobra, eu informo sempre um valor um pouco abaixo da tabela, mas mesmo assim não tem retorno, é muito difícil vc conseguir uma parceria, pois ao meu ver os escritórios fazem uma barganha até conseguir alguém que faça pelo preço deles, e pior que sempre conseguem, portanto vivemos essa desvalorização nos valores para diligências.

    Responder

    1. No meu ponto de vista sua resposta deveria respeitar o valor mínimo da tabela da OAB, pois se todos agissem dessa forma; de duas, uma:
      Escritórios solicitantes deixariam de fazer essa pergunta indiscreta e, pagariam valores dignos aos correspondentes; outro detalhe, sempre que o “profissional” (observe-se que está escrito com p minúsculo) sujeitar-se quanto aos valores ofertados estará agindo contrariamente à própria categoria.
      Lembro-me, inclusive, de que em uma determinada ocasião, comentei com o Jurídico Certo que o valor ofertado por um dos clientes simplesmente era RIDÍCULO e que a solicitação não merecia sequer a resposta de quem quer que fosse.

      Responder

  13. O texto deve ser lido por quem oferece o serviço, pois, quem aceita recusa vários, mas sempre vai existir um para aceitar valores baixos, outra coisa que comumente não se paga são as despesas com passagens, de praxe conheço vários colegas que ‘inclui’ no valor dos honorários.

    Responder

    1. Minha sugestão é que o Jurídico Certo crie no sistema um relatório contendo as solicitações efetuadas pelos escritórios, destacando os valores ofertados e realizados efetivamente, isso possibilitaria que os correspondentes fizessem um acompanhamento das efetivas negociações realizadas com os escritórios, quanto aos valores efetivamente pagos por esses aos seus correspondentes.

      Responder

      1. Obrigado pela sugestão, Lucio. Vamos considerá-la.

        Porém, existe uma série de restrições quanto à padronização de valores e hoje não podemos fazer dessa maneira pois não somos o órgão regulamentador.

        Obrigado.

        Responder

  14. Interessante, texto, que vai de encontro as ofertas de valores pelos serviços solicitado aqui. Se isso não puder ser chamado de aviltamento, o que seria então?
    A vezes fico a me perguntar como é que ainda tem colegas que aceita?

    Responder

    1. O sistema ofertado pela plataforma ajuda o “leilão” de preços menores….
      Fui cadastrada um bom tempo e meus resultados não cobriram nem as despesas com a Jurídico Certo.
      É desrespeitoso não apenas os preços que ofertam mas a demora em pagar. Tenho diligências que foi prestada por uma empresa (que só busca diligentes para bancos) que não foram pagas desde Novembro de 2014!!!!!!

      Responder

    2. Entrei sexta feira. Até agora não consegui nenhum serviço. Isso pq estou dando 50% de desconto em cima da tabela da OAB. Qual média que o pessoal costuma cobrar aqui? Que absurdo!

      Responder

      1. Tem quem ofereça por menos. Por isso não tá conseguindo diligências. Pura realidade.

        Responder

      2. a verdade é que aqui se cobra 80 reais por diligencia, 150 por audiencia,no maximo e tem gente cobrando menos..lamentavel

        Responder

        1. O Jurídico Certo deveria incluir em seu sistema um valor mínimo para a realização de cada tipo de serviço solicitado, pois do contrário o que ocorre realmente é o aviltamento de honorários, o que acaba por desvalorizar toda a categoria profissional. Estou cadastrada há aproximadamente 2 meses e até agora não fui contratada. Ao meu ver há pessoas que literalmente pagam para realizar os serviços, visto que os valores cobrados devem ser ínfimos para conseguir uma contratação nesta plataforma.

          Responder

          1. Concordo.
            Quando me cadastrei parcialmente, encheram meu e-mail com demandas na minha cidade, depois que efetuei o pagamento não apareceu nenhuma.
            As que aparecem próximas não contratam porque sempre procuram o menor valor possível.


          2. Verdade, a proposta do site favorece o leilão. O ideal mesmo seria estipular um mínimo para cada diligência, a fim de acabar com as ofertas alvitantes, pois infelizmente há colegas que no afã de conseguirem algo aceitam. Tá só fiquei 2 meses assinando e só consegui uma proposta no Valor de 60 reais, ou seja, não consegui nem pagar as duas mensalidades do site, sai no prejuízo. Enquanto estiver nesse formato não assino mais!


        2. Amigo, principalmente os escritórios que representam bancos já trazem preços tabelados por eles mesmo, quem quiser tem que se submeter a fazer cargas e digitalizações por R$20,00.. Audiências por R$ 50,00.. Protocolos por R$20 sem reembolso das impressões.. E sempre tem gente disposta.

          Responder

    3. Compartilho com você essa curiosidade, embora tenha uma crença certeira de que em todas as profissões existem profissionais com P (maiúsculo) e com p (minúsculo), esse é o grande diferencial “que o mercado acaba identificando”.

      Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *