Por que devo atuar também como Correspondente Jurídico?

Tempo de leitura: 3 minutos

Você é um advogado recém-formado e está encontrando dificuldades para se estabilizar no mercado jurídico frente a grande concorrência?

Você está procurando uma atividade para ter um rendimento financeiro adequado a fim de dar prosseguimento a sua atividade profissional e construir uma grande carreira na advocacia?

Se sua resposta foi afirmativa: Seja um correspondente jurídico!

Este artigo lhe mostrará o porquê dessa afirmação, afinal, através dele vamos demonstrar algumas das inúmeras vantagens que você desfrutará com a correspondência jurídica.

Inicialmente, esclarecemos (como já deve ser de amplo conhecimento) que a correspondência jurídica pode ser exercida tanto por advogados, quanto por estudantes de Direito que possuem a Carteirinha de Estagiário da Ordem dos Advogados do Brasil, todavia esse artigo é direcionado especificamente aos advogados.

Assim, cabe mencionar que o advogado ao adentrar no ramo da correspondência jurídica tem de um modo geral, uma dupla vantagem: Qualificação Profissional e Rentabilidade Financeira em curto prazo.

Na realidade a vantagem é enorme para ambos os lados com a prestação de serviço de um correspondente jurídico. No tocante ao escritório contratante, por exemplo, há uma enorme economia financeira com a correspondência, haja vista que em várias oportunidades o serviço deve vai ser realizado em uma comarca muito distante da sua área de atuação. Já em relação ao correspondente, além do retorno financeiro, ele também poderá exercer com uma maior assiduidade a vida prática jurídica, qualificando-se profissionalmente, além de lhe proporcionar contato com diversas pessoas novas, podendo aumentar significativamente a sua carteira de clientes, bem como entabular um contrato duradouro de prestação serviço com um grande e renomado escritório de advocacia.

Todos os anos, milhares de Cursos de Direito formam milhares de advogados no Brasil. Frente a essa realidade, conseguir uma boa reputação e uma colocação adequada no mercado jurídico mostra-se cada vez mais difícil. Portanto, a correspondência jurídica é uma oportunidade ímpar de demonstrar sua competência e responsabilidade pelos serviços confiados a sua pessoa.

Todavia, em atenção a já citada concorrência acentuada no mundo jurídico, deve-se exercer com exatidão o serviço solicitado. Do contrário, dificilmente você será contatado novamente para uma futura prestação de serviço e a sua “vida” de correspondente jurídico terá os dias contados.

A experiência prática jurídica que pode ser adquirida por um Correspondente Jurídico vai ser determinante para uma carreira de sucesso. A sua atuação na própria comarca e em comarcas vizinhas proporcionará um grande reconhecimento no mercado jurídico e uma segurança financeira para enfrentar os primeiros anos de advocacia onde o retorno financeiro é escasso.

O advogado compromissado com o seu crescimento profissional tem ciência de que apenas buscando o eterno aperfeiçoamento dos seus conhecimentos é que poderá se destacar no tão concorrido mercado da advocacia. A prestação de serviço através da correspondência jurídica pode ser determinante para o sucesso.

Inúmeros advogados em nosso país muitas vezes têm de abandonar uma carreira promissora na advocacia, em virtude de não conseguir “sustentar” o seu escritório nos primeiros anos de atuação. Uma tristeza para o futuro da Justiça, diga-se de passagem, mas, infelizmente é a realidade.

Nesse passo, é de conhecimento o velho jargão popular “na dúvida faça Direito” em virtude da grande dificuldade que muitos jovens têm ao escolher a carreira profissional a seguir. Talvez, existam mesmo muitas pessoas que apenas cursam Direito em virtude de não ter a certeza de qual curso escolher, contudo, esse artigo não tem o propósito levantar essa discussão, o que queremos demonstrar é outro fato:

Algumas vezes advogados realmente excepcionais, que poderiam ter um futuro brilhante no Direito, desistem em virtude das dificuldades financeiras já citadas. Ressaltamos que a Correspondência Jurídica poderá lhe ajudar a sustentar seu escritório e deixar a chama acesa quanto ao seu sonho de um carreira brilhante na advocacia.

Pense nisso. Até o próximo artigo.

8 Comentários


  1. Para começar é excelente. Só quem precisa de oportunidade pode reconhecer.

    Responder

  2. Ser correspondente jurídico seria uma excelente oportunidade para o Advogado iniciante assim como para o Estagiário, o problema são os baixos valores ofertados, fiz recentemente assinatura por seis meses em um correspondeste e durante os seis meses não consegui fechar um só caso o maior preço oferecido foi o de
    R$ 150,00, chegaram a ofertar até R$ 50,00. O que ao meu ver é um absurdo.
    Assinei outro correspondente já me ligaram e o máximo que pagam por uma audiência é R$ 200,00, não sou a melhor, mas sou excelente profissional e amo o que faço, aceitar um preço desses, quando a tabela do meu Estado manda cobrar R$ 1.000,00 é uma discrepância total.

    Responder

    1. Concordo em gênero, número e grau, colega!!!
      Na maioria das vezes, a diligência solicitada requer praticamente uma manhã toda, outras ainda todo o expediente de trabalho, ou seja, tudo isso, para ti receber míseros trocados, “na maioria das vezes”, diga-se….
      O que chateia é que está longe dessa realidade mudar, pois ao passo em que você valoriza seu desempenho e trabalho e exige um pouco mais, outro correspondente aceita os “trocados” e realiza a diligência, ou seja, valorização???? Tá longe viu…
      Se nós mesmos não nos valorizarmos, a função de correspondente jurídico não passará apenas de uma troca de favores com direito a uma gorjeta a de recompensa no final….

      Responder

      1. Concordo em gênero número e grau com os colegas, infelizmente a carreira de correspondência está fadada a troca de favores por míseras gorjetas, triste mas é a realidade.

        Responder

  3. O ramo de correspondente jurídico é bom, mas os advogados devem ter o mínimo de bom senso ao estipular os honorários, ou aceitar os que são propostos, para não denegrir a advocacia, pois está na “moda” dizerem que tem grande demanda e ofertar valores ínfimos, tipo R$30,00 por audiência.

    Responder

  4. Impecável o texto. Ser correspondente é mesmo muito bom. Parabéns JC!!!!

    Responder

  5. Tem que fazer um contrato bem feito e estipular minuciosamente os valores que serão pagos, porque é ridícula a remuneração que alguns oferecem pelos serviços.

    Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *