Dicas para atuar numa audiência de justificação

Tempo de leitura: 6 minutos

Prevista no ordenamento jurídico em dois dispositivos do Código de Processo Civil (artigos 300 e 562), a audiência de justificação trata de concessão de medida cautelar e de ações possessórias.

No artigo 300 do CPC, essa audiência tem como objetivo solicitar maior segurança na concessão de medida cautelar. Segundo o dispositivo, caso o juiz entenda que não há na exordial elementos necessários para concessão da medida cautelar, deverá determinar a realização da audiência de justificação no despacho inicial. Além das condições da ação, listados no artigo (interesse de agir, possibilidade jurídica do pedido e legitimatio ad causam), existem outros requisitos: fumus boni iuris (forte indício de direito) e periculum in mora (risco iminente que prejudique a eficácia do processo principal).

A audiência de justificação, portanto, constitui-se numa audiência em que as testemunhas devem demonstrar a existência dos requisitos essenciais exigidos para concessão da medida cautelar pretendida pelo autor.

O artigo 562 do CPC prevê a hipótese com o objetivo de garantir o direito de propriedade à pessoa que propõe uma ação de reintegração de posse. Na petição inicial da parte que tenha ajuizado uma ação de reintegração de posse há a necessidade de comprovar a posse, a turbação ou esbulho praticado pelo réu, a data da turbação ou do esbulho, a continuação da posse em caso de ação de manutenção, e a perda da posse, na ação de reintegração.

No caso de não haver comprovação desses elementos, o juiz deverá determinar a realização de uma audiência de justificação, com a citação para que o réu compareça e para que o autor da ação justifique o alegado.

É importante destacar que, nessa audiência, não é responsabilidade de o réu produzir provas, uma vez que esse tipo de audiência serve exclusivamente para o autor fazer prova dos requisitos determinados no artigo 561. Devemos observar, no entanto, que, no caso de ser o réu uma pessoa jurídica, mesmo que a petição inicial comprove os elementos necessários, é imprescindível a presença na audiência dos representantes judiciais, para que o juiz possa deferir a manutenção ou reintegração da posse, seguindo o que está determinado no artigo 562 do CPC.

Depois da realização da audiência, caso a justificação seja acolhida pelo juiz, ele deverá determinar a imediata expedição de mandado de manutenção ou de reintegração de posse, acolhendo o pedido do autor. No caso de rejeitada, será denegada a medida liminar pretendida e o processo prossegue normalmente pelo rito ordinário.

A audiência acontece em casos mais raros e, por ser específica, alguns advogados ficam em dúvida sobre como se portar perante o juiz ou como fazer a apresentação de documentos e a intimação de testemunhas.

Como atuar numa audiência de justificação?

O juiz deve determinar a audiência de justificação para obter informações adicionais a respeito das alegações do autor. Nesse caso, para a realização da audiência, o réu é chamado para comparecer e participar, se quiser, embora não possa se defender nessa oportunidade. Na ação de reintegração ou manutenção de posse, o autor deve provar sua posse e o esbulho por parte do réu, entendendo que os documentos apresentados no processo não tenham sido suficientes.

Também no caso de tutela de urgência, pressupõe-se que a concessão de tutela não tenha sido suficientemente demonstrada na petição inicial e o juiz deve tomar essa medida para conferir maior segurança à concessão da medida cautelar.

Em ambos os casos, o papel do advogado é fundamental para o sucesso da audiência. A boa postura do advogado é essencial na audiência. Sua função, durante o ato, é garantir a igualdade de condições entre o réu e o autor, promovendo a defesa de seu cliente, esteja de que lado esteja.

Em alguns casos, o CPC dispensa a oitiva de testemunhas e o juiz segue fielmente o que determina a lei. Veja como se portar numa audiência de justificação:

Exemplo de caso de audiência de justificação

Vamos considerar que, numa audiência de posse, a audiência seja designada exclusivamente para que o autor faça prova do que foi alegado, apresentando documentos ou meios que possam fundamentar a reintegração. O réu, nessa audiência, não pode produzir provas e, com isso, fica prejudicado o contraditório, ou seja, a defesa do réu, já que o juiz pode conceder a reintegração.

Ao receber a intimação para a audiência, o advogado do réu deve juntar aos autos o rol de testemunhas e os documentos que irão fundamentar o debate em audiência, devendo fazer isso para tornar possível conferir paridade às partes.

Normalmente, na audiência de justificação, o juiz segue as normas do CPC, ignorando o pedido de intimação das testemunhas do réu e, nesse caso, o advogado deve comparecer com as testemunhas, independente da intimação. Assim, a decisão judicial respeitará o contraditório, evitando prejuízos ao cliente enquanto parte do processo.

No caso de o magistrado negar a oitiva das testemunhas do réu, mesmo que elas compareçam à audiência, o advogado pode tentar mudar seu ponto de vista, mas deve aceitar a determinação. Levar as testemunhas é um meio de tentar conseguir fazer com que sejam ouvidas, não sendo um direito a ser imposto, se assim o juiz determinar.

Mesmo que seja esta uma atitude reprovada pelo advogado, contrariando sua defesa, a sua postura deve ser firme, bastante educada, não devendo manifestar sua desaprovação de forma grosseira ou ríspida. Nesse caso, o mais indicado é que o advogado registre os protestos no auto a audiência, uma ação que transmite credibilidade ao juiz e ao cliente e que também demonstra seu respeito pelas decisões do magistrado.

O advogado pode argumentar dizendo que o juiz deve buscar as medidas que melhor atendam aos interesses das partes no processo, tentando fazer com que o mesmo possa ouvir as testemunhas ou permitir que sejam apresentados documentos, alegando que isso irá contribuir para uma decisão mais fundamenta.

A principal condição para o advogado é manter sua postura, acatar o que determina o juiz, lembrando que, na audiência de justificação, o que ele pretende é ter certeza dos fatos antes de prosseguir com o processo.

8 Comentários


  1. Meu esposo está detido porque não compareceu a audiência do ano passado pra retirar a tornozeleira ..agora o processo dele já está no concluso para decisão.. quero saber quanto tempo o juiz tem pra marcar a audiência de justificação.???.ele já cumpriu bem mais da metade da pena no fechado.

    Responder

  2. Numa Ação de Reintegração de posse, o que acontece se faltarem à audiência de justificação o autor, seu advogado e sua testemunha?

    Responder

  3. Obrigada pelos esclarecimentos sobre audiência de justificação.AGORA VOUNPESQUISAR NA DOUTRINA E LER AS ARTIGOS DO CPC. grata. ana lucia machado

    Responder

  4. artigos muito bem elaborados e ótima descrição.

    Responder

  5. Bom dia, como faço para ler o resto do artigo “Dicas para atuar numa audiência de justificação”?

    Responder

    1. Necessito dicas para atuar numa audiência de justificação…

      Responder

    2. Bom, da decisão do juíz na audiência de justificação prévia o q o advogado deve fazer

      Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *