Correspondência jurídica: não sou contratado pelos valores que peço. O que está errado?

Tempo de leitura: 2 minutos

Um advogado, estudante ou bacharel em Direito trabalhando na correspondência jurídica pode encontrar problemas na hora de estabelecer os valores cobrados pelas diligências. A primeira tentativa de regulamentação nesse sentido partiu da OAB do Espírito Santo, que divulgou uma tabela referencial para os trabalhos feitos pelos correspondentes jurídicos, procedimento que vem sendo seguido pela entidade em outros locais e por sites de correspondentes jurídicos.

O advogado correspondente faz o mesmo trabalho do advogado contratado diretamente pelo cliente e, portanto, tem o direito de estabelecer um valor que compense por seus serviços.

E, nesse caso, deve cobrar os honorários convencionais como representante da parte, lembrando ainda que deve deixar claro por conta de quem irão correr as despesas extras que, se não embutidas nos valores de honorários, devem ser cobradas à parte.

O objetivo, afinal de contas, é que o trabalho do advogado correspondente jurídico tenha o seu valor merecido e, no caso de haver uma oferta não aceita por ser considerada abaixo do normal, o correspondente poderá estabelecer valores condizentes com os serviços, desde que não sejam valores aviltantes.

Consultar a tabela da OAB

Como base para os valores que deve estabelecer, o correspondente jurídico pode utilizar a tabela da OAB para os valores comuns cobrados pelos advogados, comparando-os com a tabela.

Desse modo, a primeira providência a ser tomada deve sempre ser a consulta à tabela de honorários mantida pela Seccional da OAB de sua região. Os valores nela contidos não são impostos de forma absoluta, mas servem de referência como um ponto de partida e auxiliam o advogado a adotar uma postura condizente com a importância da função que exerce.

Embora a tarefa de fixação de honorários não seja fácil para advogados iniciantes, o mais importante é estabelecer valores que sejam condizentes com a atividade. Se o advogado não está conseguindo fechar diligências pelos valores oferecidos, deve analisar se esses valores estão muito acima ou muito abaixo daqueles normalmente cobrados – afinal, baratear demais também pode dar a impressão algo de não tanta credibilidade.

O mais importante, para o correspondente jurídico, é valorizar o próprio trabalho, cobrando o que considera justo e valorizando o próprio trabalho.

LEIA MAIS: Por que o aviltamento prejudica a correspondência jurídica

29 Comentários


  1. Por favor filtrar melhor o cadastro das pessoas que demandam serviço, visto que ultimamente tem umas demandas muito duvidosas, ou seja, GOLPE, 171, …!
    Coloco o meu telefone a disposição do meu cliente, porque o cliente precisa! Mas como o site não faz nenhuma filtragem, acabamos sendo vítimas de estelionatários que ligam em nosso telefone para para nos incomodar!
    Demandas com as seguintes identificações como Business Opportunity, Recovery do Brasil e Consultoria Sa e G S C P, devem ser investigadas pelo site!

    Responder

    1. Boa tarde, Samara! Agradecemos por avisar. Sua mensagem foi encaminhada ao Atendimento, que encontrará em contato contigo em breve. Abraços!

      Responder

  2. Sou mais um que estarei cancelando minha assinatura, pois infelizmente é um leilão de serviços, pessoas fazendo diligências por migalhas que mal apenas pagam o combustivel, enquanto não houver um valor mínimo adotado para cada diligência sempre será assim.

    Responder

  3. De fato o site possui recursos para impor um valor mínimo para cada diligência. Não o faz, porque tem medo de perder alguns clientes que pactuam com essa abominável situação.
    Já estou pensando seriamente em cancelar minha assinatura, pois trabalhar dessa forma é vergonhoso e desumano.
    A plataforma possui sua parcela de culpa e deve adotar medidas drásticas para mudar essa realidade.
    Já passou da hora da plataforma JC adotar medidas sérias para afastar o aviltamento de honorários.

    Sugestões:
    – Impor um valor mínimo para cada diligência e;
    – acabar com o envio de propostas. (o valor da diligência deve ser informado pelo contratante no ato da solicitação do serviço)

    Responder

  4. R$ 80,00 reais??? kkkkkkk Hoje me ofereceram fazer uma audiência pelo valor de R$ 35,00!! Vocês acham isso aceitável? A pessoa que ofereceu também deveria aceitar o valor de R$ 35,00.. deveria ter feito a mesma oferta…

    Responder

  5. Aqui fica o meu desabafo!
    Até quando esse grupo de pessoas vão se permitir trabalhar por valores como estes, penso que é muita falta de respeito com a nossa classe, porque eu não acredito que alguém que paga custo tão alto com anuidade possa fazer parte de um nível de hipossuficiência assim, é muita falta de respeito consigo, digo mais, para viver assim é melhor arquivar o canudo de bacharel e partir para outro ramo.

    Responder

    1. Olá, Wagner. Tudo bom?
      Entendemos e apoiamos seu desabafo. Fazemos campanhas constantes contra o aviltamento da profissão e incentivamos a todos os profissionais que sempre cobrem um valor justo e compatível com as funções que exercem. Só assim conseguiremos ter êxito nessa campanha.

      Um abraço!

      Responder

      1. Penso que o site poderia e deveria estabelecer uma tabela própria de honorários mínimos para as diligências. Não adianta parte dos profissionais cadastrados ser consciente se os demais continuam aviltando honorários e arrematando a diligência nesse leilão desenfreado de “quem dá menos”. É injusto, desestimulante e desesperador!

        Responder

        1. Olá, Thaidna. Infelizmente, nós não podemos definir valores mínimos, é algo que foge na nossa alçada. Fazemos campanhas constantes contra o aviltamento e buscamos que os próprios correspondentes valorizem seu serviço, cobrando valores justos de acordo com o patamar de mercado. Você tem toda razão e estamos trabalhando muito para evitar isso.

          Obrigado pelo comentário e feedback, um abraço.

          Responder

        2. CONCORDO PLENAMENTE!!!

          Estou prestes a cancelar minha assinatura no site. Embora tenha uma boa demanda na minha cidade e região, não consigo ser contratada nunca… acredito que em função do verdadeiro LEILÃO de honorários.
          Alguém faz audiência de instrução e julgamento por menos de 150,00??? E as de conciliação ( as vezes se perde a tarde esperando a pauta ).. por menos de R$ 100,00???

          Att.

          Leonora Pinto

          Responder

        3. Essa seria a melhor decisão .
          Nunca fui contratada em nenhuma proposta e acho que cobro valores tão baixos. Mas, deve ser bem mais baixo do que eu penso

          Responder

  6. Concordo com os colegas acima que entendem que o site deveria estabelecer parâmetros mínimos para valores a serem praticados pela correspondência jurídica.

    Responder

    1. Olá, José. Tudo bom? Infelizmente, nós não podemos definir valores mínimos, é algo que foge na nossa alçada. Fazemos campanhas constantes contra o aviltamento e buscamos que os próprios correspondentes valorizem seu serviço, cobrando valores justos de acordo com o patamar de mercado.

      Obrigado pelo comentário, um abraço.

      Responder

  7. Vou me descredenciar. Aqui em Belo Horizonte os colegas estão aceitando fazer audiências e ainda lavar preposto por R$80,00.

    Responder

  8. Tem correspondente na minha região, atua na minha cidade, cadastrado no site, terceiriza novamente os serviços e não paga aos advogados. Dois colegas tem mais de 20 diligências cada um para receber, dois a três meses de serviços prestados. Podem pegar serviços por qualquer valor.

    Responder

  9. Faz 1 mes que me cadascadastrei e até hoje não recebi nenhuma demanda.Creio que os preços que cobro estao não me contratarem.

    Responder

    1. Olá, Rita. Tudo bom? Como pode ver no texto, existem outros fatores além do valor que podem pesar. Tente utilizar melhor algumas das ferramentas que oferecemos como agenda jurídica, publicação de artigos, solicitar recomendações, além do “destaque”, que pode te ajudar a aparecer melhor nas buscas. Se quiser dicas de como usar cada uma dessas possibilidade, avise-nos.

      Um abraço!

      Responder

  10. Alinho-me a fileira de colegas, quanto aos valores irrisórios que muitos estão ofertando como contraprestação a seus serviços. Existe a Tabela da OAB do respectivo Estado da prestação do serviço, “deve” ser adota, com isso estar-se-ia obstando o sucateamento da profissão e o empobrecimento do saber jurídico do profissional, afinal o advogado precisa manter-se sempre atualizado mediante cursos/especializações/pós-graduações, etc…, para prestar bons serviços. E o acesso a maioria desses cursos se faz mediante pagamento.

    Responder

  11. O mais importante, para o correspondente jurídico, é valorizar o próprio trabalho, cobrando o que considera justo e valorizando o próprio trabalho…

    Essa é a minha visão, porem, não é assim que os contratantes vem, contratam sempre o menor valor e como hoje há um numero muito grande de recém formados que tem a visão que não precisa se estabelecer basta ter um computador com a net funcionando, com isso ele pode cobrar qualquer valor pelo seus serviços pois não tem despesas e não se preocupa com a qualidade dos serviços, tratam como se fossem trabalhar em uma feirinha… em qualquer lugar coloca sua barraquinha… lamentável, banalização da mão de obra jurídica esse é o termo.,..

    Responder

  12. Apenas sugiro que o presente site que disponibiliza o serviço requisitado para seus associados ,vincule por outro lado ao requisitante e captador do profissional correspondente a um piso mínimo de forma a afastar qq aviltamento e sucateamento profissional. No mais a negociação se estabelece entre contratante e correspondente considerada a natureza do trabalho e a habilidade e experiência do profissional.
    Outro fator que está contribuindo para esse nivelamento por baixo é o estabelecimento de intermediários nesse procedimento de oferta , que busca ganhar em cima dos trabalhos captados, devendo a oferta se limitar exclusivamente pelos profissionais diretamente envolvidos.

    Responder

  13. Bom dia.
    SE VOCÊS ME COMPROVAREM QUE OS ‘CORRESPONDENTES’ OBEDECEM ALGUMA ‘TABELA MÍNIMA’, JÁ ANTECIPO QUE RENOVAREI O CONTRATO.
    O QUE OCORRE NA PRÁTICA – E POR ISSO NOSSO DESCONTENTAMENTO E DESCREDENCIAMENTO DO ESCRITÓRIO – É QUE TEM UM MONTE DE RECÉM FORMADOS FAZENDO DILIGÊNCIAS POR R$30,00!!! AUDIÊNCIAS POR R$ 50,00!!! E COM TODO O RESPEITO, AINDA SE ALVORAM DE “DR” ‘ADVOGADO’…
    CONVENHAMOS, NOSSO ESCRITÓRIO COM MAIS DE 30 ANOS DE ATIVIDADE NÃO MAIS SE PRESTA A ISTO.

    Responder

    1. Boa noite! Está certíssimo. Eu sou advogada iniciante e não me presto a este papel. Ser explorada, nananinanão!
      Prefiro ficar ocupada com meus estudos, a estar fazendo média em fórum, ganhando R$ 50,00, nem uma faxina custa isso!!

      Responder

    2. Olá, Luiz. Tudo bom? Não temos controle do que os correspondentes pedem, mas fazemos campanhas constantes para que todos sigam o padrão de mercado, para não atrapalhar negociações dos demais. Assim, todos saem ganhando.

      Um abraço e obrigado pelo contato.

      Responder

  14. Este artigo é pertinente, também penso assim. O problema é a concorrência desleal. Assinei 02 (dois) meses no Correspondente Jurídico de SP, e tive que cancelar , pois, eu tentava cobrar o mínimo da tabela da OAB de SP, e não conseguia clientes, pois, há pessoas cobrando valores bem irrisórios, desta forma fica difícil….acho que o site deveria seguir a tabela da OAB, e caso algum advogado, bacharel e/ou estagiário inserisse um valor inferior o da tabela, a proposta não fosse enviada… mas esta é apenas a minha opinião, peço desculpas aos que acharem que os horários pelos serviços jurídicos prestados não devem serem valorizados.

    Responder

  15. O problema é que os clientes querem banalizar completamente os valores do honorários. Frequentemente recebo proposta de 40 R$ para realizar uma audiência. Esse valor não cobre nem os custos com combustível. Se digo ao cliente que esse valor é muito baixo, ele ainda ficá chateado comigo. Fico me perguntando se algum profissional do Direito aceitar trabalhar por esse valor.

    Responder

    1. Infelizmente aceita Dr.! Acho que a OAB e todos os advogados deveriam se posicionar com mais firmeza diante destas situações. Eu não aceito, mas tenho muitos colegas que aceitam, sob o argumento de que ganham no volume. Outro dia me pediram uma diligência em uma comarca vizinha e queriam me pagar 20,00. Obviamente não aceitei.

      Responder

      1. Olá, Natalia. Damos todo o apoio! Cobre sempre valores justos, dentro do padrão do mercado, pois é o próprio profissional que faz com que essa padronização seja seguida.

        Um abraço!

        Responder

        1. Não adianta nada o site ficar colocando que faz campanha, e blá,blá,blá.
          A realidade é uma só vocês do site não colocam um valor mínimo porque não querem perder esses profissionais que se prestam a fazer honorários irrisórios.
          Vocês querem fazem iguais a eles, querem ganhar na quantidade e não na qualidade com bons correspondentes.
          Isso é uma vergonha!
          Sempre recebo e-mail desse site para assinar um plano, mas nunca farei e sugiro aos colegas que estão trabalhando com dignidade parar de usar essa fermenta pois só da prejuízo.

          Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *