Em que situações um correspondente jurídico precisa ter OAB?

Por | 2018-03-14T20:43:11+00:00 13 de setembro de 2016|

O bacharel em Direito que não tenha ainda OAB não pode apenas ser representante de um cliente durante uma audiência ou um julgamento, já que não está autorizado para isso pela sua entidade representativa.

O Brasil possui atualmente mais de 1,5 milhão de bacharéis em Direito que não conseguiram aprovação no exame da ordem, o que leva uma multidão a buscar outras atividades que possam lhes trazer remuneração digna.

De acordo com a Ordem dos Advogados, um bacharel em Direito que não conseguiu passar no exame não pode advogar, representando clientes ou atuando em audiências e julgamentos.

No entanto, o estudante e mesmo o bacharel sem OAB, embora não possam advogar, podem realizar muitas atividades, mesmo dentro de escritórios de advocacia, e na área jurídica como um todo.

A correspondência jurídica é uma área que permite ao bacharel de Direito exercer uma profissão digna, dentro da área que ele escolheu como carreira, trazendo experiência e garantindo uma boa renda mensal.

LEIA MAIS:

5 vantagens da correspondência jurídica para um estudante de direito 

Quais diligências estudantes e bacharéis de Direito podem realizar?

É possível viver apenas da correspondência jurídica?

O que pode o bacharel em Direito fazer como correspondente jurídico

Dentro da correspondência jurídica, o bacharel de Direito pode realizar as principais atividades jurídicas, com exceção da representação formal em audiências e julgamentos, como, por exemplo:

  • Fazer cópias de processos.
  • Realizar protocolos.
  • Retirar alvarás.
  • Fazer consultas a processos.
  • Elaborar peças processuais, sob supervisão de um advogado aprovado pela OAB.
  • Emitir guias.
  • Verificar documentos processuais.

O trabalho de um correspondente jurídico tanto pode ser feito por um estagiário quanto por um bacharel, apresentando-se como oportunidade para que eles tenham a experiência necessária e o conhecimento exigido pela OAB para prestar exame e conseguir aprovação.

Não sendo o advogado principal no processo e fornecendo apoio a outros profissionais, o correspondente jurídico encontra a oportunidade para completar o que lhe faltou, caso tenha cursado um curso de Direito ruim, por qualquer que seja o motivo.

É bom destacar que o correspondente jurídico também encontra menos pressão, seja pelo cumprimento de prazos ou outras atividades rotineiras, o que lhe possibilita assimilar melhor as funções que sua carreira exige.