Afinal, a área jurídica paga bem?

Tempo de leitura: 2 minutos

A área jurídica tem conquistado cada vez mais um papel estratégico dentro das empresas e está sempre buscando um profissional consultivo, que seja hábil na gestão de pessoas e que esteja conectado com os objetivos do negócio.

Em escritórios de advocacia, a tendência é a especialização, havendo grande procura por advogados que tenham formação de primeira linha, que se mantenham constantemente atualizados e que tenham a capacidade de atender os clientes de forma personalizada.

Segundo levantamento feito pela Consultoria Robert Half sobre os salários de advogados, os que atuam como diretores jurídicos em bancos são os que recebem, em média, os maiores salários da área jurídica no Brasil.

As áreas que melhor remuneram os advogados são as de Direito Tributário, Imobiliário, Empresarial e Contencioso Cível Especializado.

LEIA MAIS:

Empresas podem reduzir salários se derem opção?

Como precificar os primeiros honorários como estagiário

4 coisas que advogados de sucesso não fazem

Departamento jurídico nas empresas

Nas empresas de médio e grande porte, o Departamento Jurídico ganha importância na medida em que é necessária a presença de advogados para garantir o funcionamento correto da organização.

O profissional de Direito tem ganhado status semelhante ao de um parceiro de negócios, ajudando a identificar problemas em potencial e propondo soluções que possam garantir os bons procedimentos da empresa.

O cargo de advogado, portanto, envolve a defesa direta dos interesses da organização e a média de salários varia de acordo com a experiência e a área de atuação do profissional.

Segundo o levantamento da Consultoria Robert Half, são as seguintes as faixas salariais de advogados em médias e grandes empresas:

Direito Tributário

  • Advogado Sênior: entre R$ 10.000 e R$ 20.500
  • Advogado Pleno: entre R$ 5.000 e R$ 11.000
  • Advogado Júnior: entre R$ 3.100 e R$ 6.200

Direito Empresarial

  • Advogado Sênior: entre R$ 10.000 e R$ 20.000
  • Advogado Pleno: entre R$ 6.000 e R$ 11.000
  • Advogado Júnior: entre R$ 3.500 e R$ 6.500

Direito Imobiliário

  • Advogado Sênior: entre R$ 9.000 e R$ 20.000
  • Advogado Pleno: entre R$ 6.000 e R$ 11.000
  • Advogado Júnior: entre R$ 3.500 e R$ 6.700

Direito Trabalhista

  • Advogado Sênior: entre R$ 6.000 e R$ 16.000
  • Advogado Pleno: entre R$ 3.300 e R$ 10.000
  • Advogado Júnior: entre R$ 3.100 e R$ 6.200

Direito Civil

  • Advogado Sênior: entre R$ 8.000 e R$ 15.200
  • Advogado Pleno: entre R$ 4.800 e R$ 12.200
  • Advogado Júnior: entre R$ 3.300 e R$ 6.200

5 Comentários


  1. Queria saber porque na lista não pondera os advogados criminalistas? Vim ler este artigo justamente por causa dessa área que é a qual pretendo me especializar.

    Responder

  2. Desculpe, mas o ganho da maioria dos advogados no Brasil não advém de salários. A maioria trabalha sem vínculo empregatício.
    Esta pesquisa esta carente de várias informações, como por exemplo, o quantitativo de profissionais entrevistados e suas regiões.etc.
    Sugiro uma outra pesquisa: Os lucros e benefícios de se abrir uma faculdade de direito. Me parece que é o filão do mercado. Daqui a pouco terá uma em cada bairro.

    Responder

    1. Jairo, para mim ficou bastante claro que este artigo trata do âmbito corporativo, onde os advogados são celetistas e, portanto, recebem remuneração mensal fixa.

      Responder

    2. Não lestes a primeira frase? Fostes direto para as remunerações?

      Responder

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *